Manual de Referência de Lua 5.1

por Roberto Ierusalimschy, Luiz Henrique de Figueiredo, Waldemar Celes

(Traduzido por Sérgio Queiroz de Medeiros com apoio da Fábrica Digital e da FINEP)

Copyright © 2007–2008 Lua.org, PUC-Rio. Disponível livremente nos termos da licença de Lua.


conteúdo · índice · english · português · español

1 - Introdução

Lua é uma linguagem de programação de extensão projetada para dar suporte à programação procedimental em geral e que oferece facilidades para a descrição de dados. A linguagem também oferece um bom suporte para programação orientada a objetos, programação funcional e programação orientada a dados. Lua foi planejada para ser utilizada por qualquer aplicação que necessite de uma linguagem de script leve e poderosa. Lua é implementada como uma biblioteca, escrita em C limpo (isto é, no subconjunto comum de ANSI C e C++).

Por ser uma linguagem de extensão, Lua não possui a noção de um programa principal: ela somente funciona embarcada em um programa cliente anfitrião, chamado de programa hospedeiro ou simplesmente de hospedeiro. Esse programa hospedeiro pode invocar funções para executar um pedaço de código Lua, pode escrever e ler variáveis Lua e pode registrar funções C para serem chamadas pelo código Lua. Através do uso de funções C, Lua pode ser estendida para lidar de maneira apropriada com uma ampla variedade de domínios, permitindo assim a criação de linguagems de programação personalizadas que compartilham um arcabouço sintático. A distribuição Lua inclui um exemplo de um programa hospedeiro chamado lua, o qual usa a biblioteca de Lua para oferecer um interpretador de linha de comando Lua completo.

Lua é um software livre e, como de praxe, é fornecido sem garantias, conforme dito na sua licença. A implementação descrita neste manual está disponível no sítio web oficial de Lua, www.lua.org.

Como qualquer outro manual de referência, este documento é árido em algumas partes. Para uma discussão das decisões por trás do projeto de Lua, veja os artigos técnicos disponíveis no sítio web oficial de Lua. Para uma introdução detalhada à programação em Lua, veja o livro de Roberto Ierusalimschy, Programming in Lua (Segunda Edição).

2 - A Linguagem

Esta seção descreve os aspectos léxicos, sintáticos e semânticos de Lua. Em outras palavras, esta seção descreve quais itens léxicos são válidos, como eles são combinados, e qual o significado da sua combinação.

As construções da linguagem serão explicadas usando a notação BNF estendida usual, na qual {a} significa 0 ou mais a's e [a] significa um a opcional. Não-terminais são mostrados como non-terminal, palavras-chave são mostradas como kword e outros símbolos terminais são mostrados como `=´. A sintaxe completa de Lua pode ser encontrada em §8 no fim deste manual.

2.1 - Convenções Léxicas

Em Lua, Nomes (também chamados de identificadores) podem ser qualquer cadeia de letras, dígitos, e sublinhados que não começam com um dígito. Esta definição está de acordo com a definição de nomes na maioria das linguagens. (A definição de letras depende de qual é o idioma (locale): qualquer caractere considerado alfabético pelo idioma corrente pode ser usado como um identificador.) Identificadores são usados para nomear variáveis e campos de tabelas.

As seguintes palavras-chave são reservadas e não podem ser utilizadas como nomes:

     and       break     do        else      elseif
     end       false     for       function  if
     in        local     nil       not       or
     repeat    return    then      true      until     while

Lua é uma linguagem que diferencia minúsculas de maiúsculas: and é uma palavra reservada, mas And e AND são dois nomes válidos diferentes. Como convenção, nomes que começam com um sublinhado seguido por letras maiúsculas (tais como _VERSION) são reservados para variáveis globais internas usadas por Lua.

As seguintes cadeias denotam outros itens léxicos:

     +     -     *     /     %     ^     #
     ==    ~=    <=    >=    <     >     =
     (     )     {     }     [     ]
     ;     :     ,     .     ..    ...

Cadeias de caracteres literais podem ser delimitadas através do uso de aspas simples ou aspas duplas, e podem conter as seguintes seqüências de escape no estilo de C: '\a' (campainha), '\b' (backspace), '\f' (alimentação de formulário), '\n' (quebra de linha), '\r' (retorno de carro), '\t' (tabulação horizontal), '\v' (tabulação vertical), '\\' (barra invertida), '\"' (citação [aspa dupla]) e '\'' (apóstrofo [aspa simples]). Além disso, uma barra invertida seguida por uma quebra de linha real resulta em uma quebra de linha na cadeia de caracteres. Um caractere em uma cadeia de caracteres também pode ser especificado pelo seu valor numérico usando a seqüência de escape \ddd, onde ddd é uma seqüência de até três dígitos decimais. (Note que se um caractere numérico representado como um seqüência de escape for seguido por um dígito, a seqüência de escape deve possuir exatamente três dígitos.) Cadeias de caracteres em Lua podem conter qualquer valor de 8 bits, incluindo zeros dentro delas, os quais podem ser especificados como '\0'.

Cadeias literais longas também podem ser definidas usando um formato longo delimitado por colchetes longos. Definimos uma abertura de colchete longo de nível n como um abre colchete seguido por n sinais de igual seguido por outro abre colchete. Dessa forma, uma abertura de colchete longo de nível 0 é escrita como [[, uma abertura de colchete longo de nível 1 é escrita como [=[ e assim por diante. Um fechamento de colchete longo é definido de maneira similar; por exemplo, um fechamento de colchete longo de nível 4 é escrito como ]====]. Uma cadeia de caracteres longa começa com uma abertura de colchete longo de qualquer nível e termina no primeiro fechamento de colchete longo do mesmo nível. Literais expressos desta forma podem se estender por várias linhas, não interpretam nenhuma seqüência de escape e ignoram colchetes longos de qualquer outro nível. Estes literais podem conter qualquer coisa, exceto um fechamento de colchete longo de nível igual ao da abertura.

Por conveniência, quando uma abertura de colchete longo é imediatamente seguida por uma quebra de linha, a quebra de linha não é incluída na cadeia de caracteres. Como exemplo, em um sistema usando ASCII (no qual 'a' é codificado como 97, quebra de linha é codificado como 10 e '1' é codificado como 49), as cinco cadeias literais abaixo denotam a mesma cadeia:

     a = 'alo\n123"'
     a = "alo\n123\""
     a = '\97lo\10\04923"'
     a = [[alo
     123"]]
     a = [==[
     alo
     123"]==]

Uma constante numérica pode ser escrita com uma parte decimal opcional e com um expoente decimal opcional. Lua também aceita constantes hexadecimais inteiras, através do uso do prefixo 0x. Exemplos de constantes numéricas válidas são:

     3   3.0   3.1416   314.16e-2   0.31416E1   0xff   0x56

Um comentário começa com um hífen duplo (--) em qualquer lugar, desde que fora de uma cadeia de caracteres. Se o texto imediatamente depois de -- não é uma abertura de colchete longo, o comentário é um comentário curto, o qual se estende até o fim da linha. Caso contrário, ele é um comentário longo, que se estende até o fechamento de colchete longo correspondente. Comentários longos são freqüentemente usados para desabilitar código temporariamente.

2.2 - Valores e Tipos

Lua é uma linguagem dinamicamente tipada. Isto significa que variáveis não possuem tipos; somente valores possuem tipos. Não existe definição de tipos na linguagem. Todos os valores carregam o seu próprio tipo.

Todos os valores em Lua são valores de primeira classe. Isto significa que todos os valores podem ser armazenados em variáveis, passados como argumentos para outras funções e retornados como resultados.

Existem oito tipos básicos em Lua: nil, boolean, number, string, function, userdata, thread e table. Nil é o tipo do valor nil, cuja propriedade principal é ser diferente de qualquer outro valor; ele geralmente representa a ausência de um valor útil. Boolean é o tipo dos valores false e true. Tanto nil como false tornam uma condição falsa; qualquer outro valor torna a condição verdadeira. Number representa números reais (ponto flutuante de precisão dupla). (É fácil construir interpretadores Lua que usem outra representação interna para números, tais como precisão simples de ponto flutuante ou inteiros longos; veja o arquivo luaconf.h.) O tipo string representa cadeias de caracteres. Em Lua, cadeias de caracteres podem conter qualquer caractere de 8 bits, incluindo zeros ('\0') dentro dela (ver §2.1).

Lua pode chamar (e manipular) funções escritas em Lua e funções escritas em C (ver §2.5.8).

O tipo userdata permite que dados C arbitrários possam ser armazenados em variáveis Lua. Este tipo corresponde a um bloco de memória e não tem operações pré-definidas em Lua, exceto atribuição e teste de identidade. Contudo, através do uso de metatables, o programador pode definir operações para valores userdata (ver §2.8). Valores userdata não podem ser criados ou modificados em Lua, somente através da API C. Isto garante a integridade dos dados que pertencem ao programa hospedeiro.

O tipo thread representa fluxos de execução independentes e é usado para implementar co-rotinas (ver §2.11). Não confunda o tipo thread de Lua com processos leves do sistema operacional. Lua dá suporte a co-rotinas em todos os sistemas, até mesmo naqueles que não dão suporte a processos leves.

O tipo table implementa arrays associativos, isto é, arrays que podem ser indexados não apenas por números, mas por qualquer valor (exceto nil). Tabelas podem ser heterogêneas; isto é, elas podem conter valores de todos os tipos (exceto nil). Tabelas são o único mecanismo de estruturação de dados em Lua; elas podem ser usadas para representar arrays comuns, tabelas de símbolos, conjuntos, registros, grafos, árvores, etc. Para representar registros, Lua usa o nome do campo como um índice. A linguagem dá suporte a esta representação oferecendo a.name como um açúcar sintático para a["name"]. Existem várias maneiras convenientes de se criar tabelas em Lua (ver §2.5.7).

Da mesma forma que os índices, o valor de um campo da tabela pode possuir qualquer tipo (exceto nil). Em particular, dado que funções são valores de primeira classe, campos de tabela podem conter funções. Portanto, tabelas podem também possuir metódos (ver §2.5.9).

Valores do tipo table, function, thread e userdata (completo) são objetos: variáveis não contêm realmente estes valores, somente referências para eles. Atribuição, passagem de parâmetro, e retorno de funções sempre lidam com referências para tais valores; estas operações não implicam em qualquer espécie de cópia.

A função type retorna uma cadeia de caracteres descrevendo o tipo de um dado valor.

2.2.1 - Coerção

Lua provê conversão automática entre valores do tipo string e do tipo number em tempo de execução. Qualquer operação aritmética aplicada a uma cadeia de caracteres tenta converter esta cadeia para um número, seguindo as regras de conversão usuais. De forma análoga, sempre que um número é usado onde uma cadeia de caracteres é esperada, o número é convertido para uma cadeia, em um formato razoável. Para um controle completo sobre como números são convertidos para cadeias, use a função format da biblioteca string (ver string.format).

2.3 - Variáveis

Variáveis são lugares usados para armazenar valores.

Existem três tipos de variáveis em Lua: variáveis globais, variáveis locais e campos de tabelas.

Um nome simples pode denotar uma variável global ou uma variávei local (ou um parâmetro formal de uma função, que é um caso particular de variável local):

	var ::= Nome

Nome denota identificadores, como definido em §2.1.

Assume-se que toda variável é uma variável global a menos que ela seja explicitamente declarada como uma variável local (ver §2.4.7). Variáveis locais possuem escopo léxico: variáveis locais podem ser livremente acessadas por funções definidas dentro do seu escopo (ver §2.6).

Antes da variável receber a sua primeira atribuição, o seu valor é nil.

Colchetes são usados para indexar uma tabela:

	var ::= expprefixo `[´ exp `]´

A semântica de acessos a variáveis globais e a campos de tabelas pode ser mudada através do uso de metatabelas. Um acesso a uma variável indexada t[i] é equivalente a uma chamada gettable_event(t,i). (Veja §2.8 para uma descrição completa da função gettable_event. Esta função não é definida nem pode ser chamada em Lua. Ela é usada aqui somente para fins didáticos.)

A sintaxe var.Nome é apenas um açúcar sintático para var["Nome"]:

	var ::= expprefixo `.´ Nome

Todas as variáveis globais são mantidas como campos em tabelas Lua comuns, chamadas de tabelas de ambiente ou simplesmente de ambientes (ver §2.9). Cada função tem sua própria referência para um ambiente, de forma que todas as variáveis globais dentro de uma função irão se referir para esta tabela de ambiente. Quando uma função é criada, ela herda o ambiente da função que a criou. Para obter a tabela de ambiente de uma função Lua, você deve chamar getfenv. Para trocar a tabela de ambiente, você deve chamar setfenv. (A única maneira de tratar o ambiente de funções C é através da a biblioteca de depuração; (ver §5.9).)

Um acesso a uma variável global x é equivalente a _env.x, que por sua vez é equivalente a

     gettable_event(_env, "x")

onde _env é o ambiente da função corrente. (Veja §2.8 para uma descrição completa da função gettable_event. Esta função não é definida nem pode ser chamada em Lua. De modo análogo, a variável _env não é definida em Lua. Elas foram usadas aqui somente para fins didáticos.)

2.4 - Comandos

Lua oferece um conjunto quase convencional de comandos, similar ao conjunto de comandos disponíveis em Pascal ou C. Este conjunto inclui atribuições, estruturas de controle, chamadas de funções e declarações de variáveis.

2.4.1 - Trechos

A unidade de execução de Lua é denominada de trecho. Um trecho é simplesmente uma seqüência de comandos, os quais são executados sequencialmente. Cada comando pode opcionalmente ser seguido por um ponto-e-vírgula:

	trecho ::= {comando [`;´]}

Não existem comandos vazios e portanto a construção ';;' não é válida.

Lua trata um trecho como o corpo de uma função anônima com um número variável de argumentos (ver §2.5.9). Desta forma, trechos podem definir variáveis locais, receber argumentos e retornar valores.

Um trecho pode ser armazenado em um arquivo ou em uma cadeia de caracteres dentro do programa hospedeiro. Para executar um trecho, Lua primeiro pré-compila o trecho em instruções para uma máquina virtual e depois executa o código compilado com um interpretador para a máquina virtual.

Trechos também podem ser pré-compilados em uma forma binária; veja o programa luac para mais detalhes. Programas na forma de código fonte e na forma de um arquivo fonte já compilado são intercambiáveis; Lua automaticamente determina qual é o tipo do arquivo e age em conformidade com ele.

2.4.2 - Blocos

Um bloco é uma lista de comandos; sintaticamente, um bloco é a mesma coisa que um trecho:

	bloco ::= trecho

Um bloco pode ser explicitamente delimitado para produzir um único comando:

	comando ::= do bloco end

Blocos explícitos são úteis para controlar o escopo de declarações de variáveis. Blocos explícitos são também usados às vezes para adicionar um comando return ou break no meio de outro bloco (ver §2.4.4).

2.4.3 - Atribuição

Lua permite atribuições múltiplas. Em virtude disto, a sintaxe para atribuição define uma lista de variáveis no lado esquerdo e uma lista de expressões no lado direito. Os elementos em ambos os lados são separados por vírgulas:

	comando ::= listavar `=´ listaexp
	listavar ::= var {`,´ var}
	listaexp ::= exp {`,´ exp}

Expressões são discutidas em §2.5.

Antes da atribuição ser realizada, a lista de valores é ajustada para o comprimento da lista de variáveis. Se há mais valores do que o necessário, os valores em excesso são descartados. Se há menos valores do que o necessário, a lista é estendida com tantos nil's quantos sejam necessários. Se a lista de expressões termina com uma chamada de função, então todos os valores retornados por esta chamada entram na lista de valores, antes do ajuste ser realizado (exceto quando a chamada é delimitada por parênteses; veja §2.5).

Um comando de atribuição primeiro avalia todas as suas expressões e somente depois é que a atribuição é realizada. Desta forma, o código

     i = 3
     i, a[i] = i+1, 20

atribui 20 a a[3], sem afetar a[4] porque o i em a[i] é avaliado (para 3) antes de receber o valor 4. De modo similar, a linha

     x, y = y, x

troca os valores de x e y e

     x, y, z = y, z, x

permuta de maneira cíclica os valores de x, y e z.

A semântica de atribuições para variáveis globais e campos de tabelas pode ser mudada através do uso de metatabelas. Uma atribuição para uma variável indexada t[i] = val é equivalente a settable_event(t,i,val). (Veja §2.8 para uma descrição completa da função settable_event. Esta função não é definida nem pode ser chamada em Lua. Ela foi usada aqui somente para fins didáticos.)

Uma atribuição a uma variável global x = val é equivalente à atribuição _env.x = val, que por sua vez é equivalente a

     settable_event(_env, "x", val)

onde _env é o ambiente da função sendo executada. (A variável _env não é definida em Lua. Ela foi usada aqui somente para fins didáticos.)

2.4.4 - Estruturas de Controle

As estruturas de controle if, while e repeat possuem o significado usual e a sintaxe familiar:

	comando ::= while exp do bloco end
	comando ::= repeat bloco until exp
	comando ::= if exp then bloco {elseif exp then bloco} [else bloco] end

Lua também possui um comando for, o qual possui duas variações (ver §2.4.5).

A expressão da condição de uma estrutura de controle pode retornar qualquer valor. Tanto false como nil são considerados um valor falso. Todos os valores diferentes de nil e false são considerados como verdadeiros (em particular, o número 0 e a cadeia de caracteres vazia também são considerados valores verdadeiros).

No laço repeatuntil, o bloco mais interno não termina na palavra-chave until, mas somente depois da condição. Desta forma, a condição pode referenciar variáveis locais declaradas dentro do bloco do laço.

O comando return é usado para retornar valores de uma função ou de um trecho (que nada mais é do que uma função). Funções e trechos podem retornar mais de um valor, de modo que a sintaxe para o comando return é

	comando ::= return [listaexp]

O comando break é usado para terminar a execução de um laço while, repeat ou for, pulando para o próximo comando depois do laço:

	comando ::= break

Um break termina a execução do laço mais interno.

Os comandos return e break somente podem ser escritos como o último comando de um bloco. Se é realmente necessário ter um return ou break no meio de um bloco, então um bloco interno explícito pode ser usado, como nas expressões idiomáticas do return end e do break end, pois agora tanto o return como o break são os últimos comandos em seus respectivos blocos (internos).

2.4.5 - Comando for

O comando for possui duas variações: uma numérica e outra genérica.

O laço for numérico repete um bloco de código enquanto uma variável de controle varia de acordo com uma progressão aritmética. Ele possui a seguinte sintaxe:

	comando ::= for nome `=´ exp `,´ exp [`,´ exp] do bloco end

O bloco é repetido para nome começando com o valor da primeira exp, até que ele passe o valor da segunda exp através de seguidos passos, sendo que a cada passo o valor da terceira exp é somado a nome. De forma mais precisa, um comando for como

     for v = e1, e2, e3 do bloco end

é equivalente ao código:

     do
       local var, limite, passo = tonumber(e1), tonumber(e2), tonumber(e3)
       if not (var and limite and passo) then error() end
       while (passo > 0 and var <= limite) or (passo <= 0 and var >= limite) do
         local v = var
         bloco
         var = var + passo
       end
     end

Note o seguinte:

O comando for genérico funciona utilizando funções, chamadas de iteradoras. A cada iteração, a função iteradora é chamada para produzir um novo valor, parando quando este novo valor é nil. O laço for genérico possui a seguinte sintaxe:

	comando ::= for listadenomes in listaexp do bloco end
	listadenomes ::= Nome {`,´ Nome}

Um comando for como

     for var_1, ···, var_n in explist do block end

é equivalente ao código:

     do
       local f, s, var = explist
       while true do
         local var_1, ···, var_n = f(s, var)
         var = var_1
         if var == nil then break end
         block
       end
     end

Note o seguinte:

2.4.6 - Chamadas de Função como Comandos

Para permitir possíveis efeitos colaterais, funções podem ser executadas como comandos:

	comando ::= chamadadefuncao

Neste caso, todos os valores retornados pela função são descartados. Chamadas de função são explicadas em §2.5.8.

2.4.7 - Declarações Locais

Variáveis locais podem ser declaradas em qualquer lugar dentro de um bloco. A declaração pode incluir uma atribuição inicial:

	comando ::= local listadenomes [`=´ listaexp]

Caso ocorra uma atribuição inicial, a sua semântica é a mesma de uma atribuição múltipla (ver §2.4.3). Caso contrário, todas as variáveis são inicializadas com nil.

Um trecho também é um bloco (ver §2.4.1) e portanto variáveis locais podem ser declaradas em um trecho fora de qualquer bloco explícito. O escopo de uma variável declarada desta forma se estende até o fim do trecho.

As regras de visibilidade para variáveis locais são explicadas em §2.6.

2.5 - Expressões

As expressões básicas em Lua são as seguintes:

	exp ::= expprefixo
	exp ::= nil | false | true
	exp ::= Numero
	exp ::= Cadeia
	exp ::= funcao
	exp ::= construtortabela
	exp ::= `...´
	exp ::= exp opbin exp
	exp ::= opunaria exp
	expprefixo ::= var | chamadadefuncao | `(´ exp `)´

Números e cadeias literais são explicados em §2.1; variáveis são explicadas em §2.3; definições de funções são explicadas em §2.5.9; chamadas de funções são explicadas em §2.5.8; construtores de tabelas são explicados em §2.5.7. Expressões vararg, denotadas por três pontos ('...'), somente podem ser usadas quando estão imediatamente dentro de uma função que possui um número variável de argumentos; elas são explicadas em §2.5.9.

Operadores binários compreendem operadores aritméticos (ver §2.5.1), operadores relacionais (ver §2.5.2), operadores lógicos (ver §2.5.3) e o operador de concatenação (ver §2.5.4). Operadores unários compreendem o menos unário (ver §2.5.1), o not unário (ver §2.5.3) e o operador de comprimento unário (ver §2.5.5).

Tanto chamadas de funções como expressões vararg podem resultar em múltiplos valores. Se uma expressão é usada como um comando (o que somente é possível para chamadas de funções (ver §2.4.6)), então a sua lista de retorno é ajustada para zero elementos, descartando portanto todos os valores retornados. Se uma expressão é usada como o último (ou o único) elemento de uma lista de expressões, então nenhum ajuste é feito (a menos que a chamada seja delimitada por parênteses). Em todos os demais contextos, Lua ajusta a lista de resultados para um elemento, descartando todos os valores exceto o primeiro.

Aqui estão alguns exemplos:

     f()                -- ajusta para 0 resultados
     g(f(), x)          -- f() é ajustado para 1 resultado
     g(x, f())          -- g recebe x mais todos os resultados de f()
     a,b,c = f(), x     -- f() é ajustado para 1 resultado (c recebe nil)
     a,b = ...          -- a recebe o primeiro parâmetro da lista vararg,
                        -- b recebe o segundo (tanto a como b podem receber nil caso não
                        -- exista um parâmetro correspondente na lista)
     
     a,b,c = x, f()     -- f() é ajustado para 2 resultados
     a,b,c = f()        -- f() é ajustado para 3 resultados
     return f()         -- retorna todos os resultados de f()
     return ...         -- retorna todos os resultados recebidos da lista vararg
     return x,y,f()     -- retorna x, y e todos os resultados de f()
     {f()}              -- cria uma lista com todos os resultados de f()
     {...}              -- cria uma lista com todos os parâmetros da lista vararg
     {f(), nil}         -- f() é ajustado para 1 resultado

Qualquer expressão delimitada por parênteses sempre resulta em um único valor. Dessa forma, (f(x,y,z)) é sempre um único valor, mesmo que f retorne múltiplos valores. (O valor de (f(x,y,z)) é o primeiro valor retornado por f, ou nil se f não retorna nenhum valor.)

2.5.1 - Operadores Aritméticos

Lua provê os operadores aritméticos usuais: os operadores binários + (adição), - (subtração), * (multiplicação), / (divisão), % (módulo) e ^ (exponenciação); e o operador unário - (negação). Se os operandos são números ou cadeias de caracteres que podem ser convertidas para números (ver §2.2.1), então todas as operações possuem o seu significado usual. A exponenciação funciona para qualquer expoente. Por exemplo, x^(-0.5) calcula o inverso da raiz quadrada de x. Módulo é definido como

     a % b == a - math.floor(a/b)*b

Ou seja, é o resto de uma divisão arredondada em direção a menos infinito.

2.5.2 - Operadores Relacionais

Os operadores relacionais em Lua são

     ==    ~=    <     >     <=    >=

Estes operadores sempre possuem como resultado false ou true.

A igualdade (==) primeiro compara o tipo de seus operandos. Se os tipos são diferentes, então o resultado é false. Caso contrário, os valores dos operandos são comparados. Números e cadeias de caracteres são comparados de maneira usual. Objetos (valores do tipo table, userdata, thread e function) são comparados por referência: dois objetos são considerados iguais somente se eles são o mesmo objeto. Toda vez que um novo objeto é criado (um valor com tipo table, userdata, thread ou function) este novo objeto é diferente de qualquer outro objeto que existia anteriormente.

É possível mudar a maneira como Lua compara os tipos table e userdata através do uso do metamétodo "eq" (ver §2.8).

As regras de conversão em §2.2.1 não se aplicam a comparações de igualdade. Portanto, "0"==0 é avaliado como false e t[0] e t["0"] denotam posições diferentes em uma tabela.

O operador ~= é exatamente a negação da igualdade (==).

Os operadores de ordem trabalham da seguinte forma. Se ambos os argumentos são números, então eles são comparados como tais. Caso contrário, se ambos os argumentos são cadeias de caracteres, então seus valores são comparados de acordo com a escolha de idioma atual. Caso contrário, Lua tenta chamar o metamétodo "lt" ou o metamétodo "le" (ver §2.8). Uma comparação a > b é traduzida para b < a, ao passo que a >= b é traduzida para b <= a.

2.5.3 - Operadores Lógicos

Os operadores lógicos em Lua são and, or e not. Assim como as estruturas de controle (ver §2.4.4), todos os operadores lógicos consideram false e nil como falso e qualquer coisa diferente como verdadeiro.

O operador de negação not sempre retorna false ou true. O operador de conjunção and retorna seu primeiro argumento se este valor é false ou nil; caso contrário, and retorna seu segundo argumento. O operador de disjunção or retorna seu primeiro argumento se o valor deste é diferente de nil e de false; caso contrário, or retorna o seu segundo argumento. Tanto and como or usam avaliação de curto-circuito; isto é, o segundo operando é avaliado somente quando é necessário. Aqui estão alguns exemplos:

     10 or 20            --> 10
     10 or error()       --> 10
     nil or "a"          --> "a"
     nil and 10          --> nil
     false and error()   --> false
     false and nil       --> false
     false or nil        --> nil
     10 and 20           --> 20

(Neste manual, --> indica o resultado da expressão precedente.)

2.5.4 - Concatenação

O operador de concatenação de cadeias de caracteres em Lua é denotado por dois pontos ('..'). Se ambos os operandos são cadeias de caracteres ou números, então eles são convertidos para cadeias de caracteres de acordo com as regras mencionadas em §2.2.1. Caso contrário, o metamétodo "concat" é chamado (ver §2.8).

2.5.5 - O Operador de Comprimento

O operador de comprimento é denotado pelo operador unário #. O comprimento de uma cadeia de caracteres é o seu número de bytes (isto é, o significado usual de comprimento de uma cadeia quando cada caractere ocupa um byte).

O comprimento de uma tabela t é definido como qualquer índice inteiro n tal que t[n] não é nil e t[n+1] é nil; além disso, se t[1] é nil, n pode ser zero. Para um array comum, com todos os valores diferentes de nil indo de 1 até um dado n, o seu comprimento é exatamente aquele n, o índice do seu último valor. Se o array possui "buracos" (isto é, valores nil entre dois outros valores diferentes de nil), então #t pode ser qualquer um dos índices que imediatamente precedem um valor nil (isto é, ele pode considerar qualquer valor nil como o fim do array).

2.5.6 - Precedência

A precedência de operadores em Lua segue a tabela abaixo, da menor prioridade para a maior:

     or
     and
     <     >     <=    >=    ~=    ==
     ..
     +     -
     *     /     %
     not   #     - (unary)
     ^

Como é de costume, você pode usar parênteses para mudar as precedências de uma expressão. Os operadores de concatenação ('..') e de exponenciação ('^') são associativos à direita. Todos os demais operadores binários são associativos à esquerda.

2.5.7 - Construtores de Tabelas

Construtores de tabelas são expressões que criam tabelas. Toda vez que um construtor é avaliado, uma nova tabela é criada. Um construtor pode ser usado para criar uma tabelas vazia ou para criar uma tabela e inicializar alguns dos seus campos. A sintaxe geral de construtores é

	construtortabela ::= `{´ [listadecampos] `}´
	listadecampos ::= campo {separadordecampos campo} [separadordecampos]
	campo ::= `[´ exp `]´ `=´ exp | Nome `=´ exp | exp
	separadordecampos ::= `,´ | `;´

Cada campo da forma [exp1] = exp2 adiciona à nova tabela uma entrada cuja chave é exp1 e cujo valor é exp2. Um campo da forma Nome = exp é equivalente a ["Nome"] = exp. Finalmente, campos da forma exp são equivalentes a [i] = exp, onde i representa números inteiros consecutivos, iniciando com 1. Campos nos outros formatos não afetam esta contagem. Por exemplo,

     a = { [f(1)] = g; "x", "y"; x = 1, f(x), [30] = 23; 45 }

é equivalente a

     do
       local t = {}
       t[f(1)] = g
       t[1] = "x"         -- primeira exp
       t[2] = "y"         -- segunda exp
       t.x = 1            -- t["x"] = 1
       t[3] = f(x)        -- terceira exp
       t[30] = 23
       t[4] = 45          -- quarta exp
       a = t
     end

Se o último campo na lista possui a forma exp e a expressão é uma chamada de função ou uma expressão com um número variável de argumentos, então todos os valores retornados pela expressão entram na lista consecutivamente (ver §2.5.8). Para evitar isto, coloque parênteses ao redor da chamada de função ou da expressão com número variável de argumentos (ver §2.5).

A lista de campos pode ter um separador a mais no fim, como uma conveniência para código gerado automaticamente.

2.5.8 - Chamadas de Função

Uma chamada de função em Lua tem a seguinte sintaxe:

	chamadadefuncao ::= expprefixo args

Em uma chamada de função, primeiro expprefixo e args são avaliados. Se o valor de expprefixo possui tipo function, então esta função é chamada com os argumentos fornecidos. Caso contrário, o metamétodo "call" de expprefixo é chamado, tendo como primeiro parâmetro o valor de expprefixo, seguido pelos argumentos originais da chamada (ver §2.8).

A forma

	chamadadefuncao ::= expprefixo `:´ Nome args

pode ser usada para chamar "métodos". Uma chamada v:nome(args) é um açúcar sintático para v.nome(v,args), com a diferença de que v é avaliado somente uma vez.

Argumentos possuem a seguinte sintaxe:

	args ::= `(´ [listaexp] `)´
	args ::= construtordetabela
	args ::= Cadeia

Todas as expressões fornecidas como argumento são avaliadas antes da chamada. Uma chamada da forma f{campos} é uma açúcar sintático para f({campos}); ou seja, a lista de argumentos consiste somente em uma tabela nova. Uma chamada da forma f'cadeia' (ou f"cadeia" ou f[[cadeia]]) é um açúcar sintático para f('cadeia'); ou seja, a lista de argumentos consiste somente em uma cadeia de caracteres literal.

Uma exceção em relação à sintaxe de formato livre de Lua é que não é possível colocar uma quebra de linha antes do '(' em uma chamada de função. Esta restrição evita algumas ambigüidades na linguagem. Se você escrevesse

     a = f
     (g).x(a)

Lua poderia ver isto como um comando único, a = f(g).x(a). Portanto, se você deseja dois comandos, você deve obrigatoriamente colocar um ponto-e-vírgula entre eles. Se você realmente quer chamar f, você deve remover a quebra de linha antes de (g).

Uma chamada da forma return chamadadefuncao é denominada de chamada final. Lua implementa chamadas finais próprias (ou recursões finais próprias): em uma chamada final, a função chamada reusa a entrada na pilha da função que a chamou. Portanto, não há limite no número de chamadas finais aninhadas que um programa pode executar. Contudo, uma chamada final apaga qualquer informação de depuração sobre a função chamadora. Note que uma chamada final somente acontece com uma sintaxe particular, onde o return possui uma única chamada de função como argumento; esta sintaxe faz com que a chamada de função retorne exatamente os valores de retorno da função chamada. Dessa forma, nenhum dos exemplos a seguir são chamadas finais:

     return (f(x))        -- o número de resultados é ajustado para 1
     return 2 * f(x)
     return x, f(x)       -- resultados adicionais
     f(x); return         -- resultados descartados
     return x or f(x)     -- o número de resultados é ajustado para 1

2.5.9 - Definições de Funções

A sintaxe para a definição de uma função é

	funcao ::= function corpodafuncao
	funcao ::= `(´ [listapar] `)´ bloco end

O seguinte açúcar sintático simplifica definições de funções:

	comando ::= function nomedafuncao corpodafuncao
	comando ::= local function Nome corpodafuncao
	nomedafuncao ::= Nome {`.´ Nome} [`:´ Nome]

O comando

     function f () corpo end

é traduzido para

     f = function () corpo end

O comando

     function t.a.b.c.f () corpo end

é traduzido para

     t.a.b.c.f = function () corpo end

O comando

     local function f () corpo end

é traduzido para

     local f; f = function () corpo end

e não para

     local f = function () corpo end

(Isto somente faz diferença quando o corpo da função contém uma referência para f.)

Uma definição de função é uma expressão executável, cujo valor tem tipo function. Quando Lua pré-compila um trecho, todos os corpos das funções do trecho são pré-compilados também. Então, sempre que Lua executa a definição de uma função, a função é instanciada (ou fechada). Esta instância da função (ou fecho) é o valor final da expressão. Instâncias diferentes da mesma função podem se referir a diferentes variáveis locais externas e podem ter diferentes tabelas de ambiente.

Parâmetros comportam-se como variáveis locais que são inicializadas com os valores dos argumentos:

	listapar ::= listadenomes [`,´ `...´] | `...´

Quando uma função é chamada, a lista de argumentos é ajustada para o comprimento da lista de parâmetros, a não ser que a função seja de aridade variável ou vararg, o que é indicado por três pontos ('...') no final da sua lista de parâmetros. Uma função vararg não ajusta sua lista de argumentos; ao invés disso, ela coleta todos os argumentos extras e os fornece para a função através de uma expressão vararg, a qual também é representada como três pontos. O valor desta expressão é uma lista de todos os argumentos extras correntes, similar a uma função com múltiplos valores de retorno. Se uma expressão vararg é usada dentro de outra expressão ou no meio de uma lista de expressões, então a sua lista de valores de retorno é ajustada para um elemento. Se a expressão é usada como o último elemento de uma lista de expressões, então nenhum ajuste é feito (a menos que a última expressão seja delimitada por parênteses).

Como um exemplo, considere as seguintes definições:

     function f(a, b) end
     function g(a, b, ...) end
     function r() return 1,2,3 end

Neste caso, nós temos o seguinte mapeamento de argumentos para parâmetros e para as expressões vararg:

     CHAMADA          PARÂMETROS
     
     f(3)             a=3, b=nil
     f(3, 4)          a=3, b=4
     f(3, 4, 5)       a=3, b=4
     f(r(), 10)       a=1, b=10
     f(r())           a=1, b=2
     
     g(3)             a=3, b=nil, ... -->  (nada)
     g(3, 4)          a=3, b=4,   ... -->  (nada)
     g(3, 4, 5, 8)    a=3, b=4,   ... -->  5  8
     g(5, r())        a=5, b=1,   ... -->  2  3

Resultados são retornados usando o comando return (ver §2.4.4). Se o controle alcança o fim de uma função sem encontrar um comando return, então a função retorna sem nenhum resultado.

A sintaxe de dois pontos é usada para definir métodos, isto é, funções que possuem um parâmetro extra implícito self. Desta forma, o comando

     function t.a.b.c:f (params) corpo end

é uma açúcar sintático para

     t.a.b.c.f = function (self, params) corpo end

2.6 - Regras de Visibilidade

Lua é uma linguagem com escopo léxico. O escopo das variáveis começa no primeiro comando depois da sua declaração e vai até o fim do bloco mais interno que inclui a declaração. Considere o seguinte exemplo:

     x = 10                -- variável global
     do                    -- bloco novo
       local x = x         -- novo 'x', com valor 10
       print(x)            --> 10
       x = x+1
       do                  -- outro bloco
         local x = x+1     -- outro 'x'
         print(x)          --> 12
       end
       print(x)            --> 11
     end
     print(x)              --> 10  (o x global)

Note que, em uma declaração como local x = x, o novo x sendo declarado não está no escopo ainda e portanto o segundo x se refere a uma variável externa.

Por causa das regras de escopo léxico, variáveis locais podem ser livremente acessadas por funções definidas dentro do seu escopo. Uma variável local usada por uma função mais interna é chamada de upvalue ou variável local externa, dentro da função mais interna.

Note que cada execução de um comando local define novas variáveis locais. Considere o exemplo a seguir:

     a = {}
     local x = 20
     for i=1,10 do
       local y = 0
       a[i] = function () y=y+1; return x+y end
     end

O laço cria dez fechos (isto é, dez instâncias da função anônima). Cada um destes fechos usa uma variável y diferente, enquanto todos eles compartilham a mesma variável x.

2.7 - Tratamento de Erros

Dado que Lua é uma linguagem embarcada de extensão, todas as ações de Lua começam a partir de código C no programa hospedeiro que chama uma função da biblioteca de Lua (ver lua_pcall). Sempre que um erro ocorre durante a compilação ou execução, o controle retorna para C, que pode tomar as medidas apropriadas (tais como imprimir uma mensagem de erro).

O código Lua pode explicitamente gerar um erro através de uma chamada à função error. Se você precisa capturar erros em Lua, você pode usar a função pcall.

2.8 - Metatabelas

Todo valor em Lua pode ter uma metatabela. Esta metatabela é uma tabela Lua comum que define o comportamento do valor original com relação a certas operações especiais. É possível mudar vários aspectos do comportamento de operações sobre um valor especificando campos específicos na metatabela do valor. Por exemplo, quando um valor não numérico é o operando de uma adição, Lua verifica se existe uma função associada com o campo "__add" na metatabela do valor. Se a função existe, Lua chama esta função para realizar a adição.

Chamamos as chaves em uma metatabela de eventos e os valores de metamétodos. No exemplo anterior, o evento é "add" e o metamétodo é a função que realiza a adição.

É possível obter a metatabela de qualquer valor usando a função getmetatable.

Você pode mudar a metatabela de tabelas através da função setmetatable. Você não pode mudar a metatabela de outros tipos de Lua (a menos que você use a biblioteca de depuração); você deve obrigatoriamente usar a API C para fazer isto.

Tabelas e objetos do tipo userdata completos possuem metatabelas individuais (embora múltiplas tabelas e objetos userdata possam compartilhar suas metatabelas). Valores de todos os outros tipos compartilham um única metatabela por tipo; ou seja, há somente uma metatabela para todos os números, uma para todas as cadeias de caracteres, etc.

Uma metatabela controla como um objeto se comporta em operações aritméticas, comparações com relação à ordem, concatenação, operação de comprimento e indexação. Uma metatabela também pode definir uma função a ser chamada quando um objeto userdata é coletado pelo coletor de lixo. Para cada uma destas operações Lua associa uma chave específica chamada um evento. Quando Lua realiza uma destas operações sobre um valor, Lua verifica se este valor possui uma metatabela com o evento correspondente. Se este é o caso, o valor associado àquela chave (o metamétodo) controla como Lua irá realizar a operação.

Metatabelas controlam as operações listadas a seguir. Cada operação é identificada por seu nome correspondente. A chave para cada operação é uma cadeia de caracteres começando com o nome da operação sendo precedido por dois sublinhados, '__'; por exemplo, a chave para a operação "add" é a cadeia "__add". A semântica destas operações é melhor explicada por meio de uma função Lua que descreve como o interpretador executa a operação.

O código mostrado aqui é meramente ilustrativo; o comportamento real está codificado no interpretador e é muito mais eficiente do que esta simulação. Todas as funções usadas nestes descrições (rawget, tonumber, etc.) são descritas em §5.1. Em particular, para recuperar o metamétodo de um dado objeto, usamos a expressão

     metatable(obj)[event]

Isto deve ser lido como

     rawget(getmetatable(obj) or {}, event)

Isto é, o acesso a um metamétodo não invoca outros metamétodos e o acesso a objetos que não possuem metatabelas não falha (ele simplesmente resulta em nil).

2.9 - Ambientes

Além de metatabelas, objetos do tipo thread, function e userdata possuem outra tabela associada com eles, chamada de seu ambiente. Assim como metatabelas, ambientes são tabelas normais e vários objetos podem compartilhar o mesmo ambiente.

Objetos do tipo thread são criados compartilhando o ambiente da thread que os criou. Objetos do tipo userdata e funções C são criados compartilhando o ambiente da função C que os criou. Funções Lua não aninhadas (criadas por loadfile, loadstring ou load) são criadas compartilhando o ambiente da thread que as criou. Funções Lua aninhadas são criadas compartilhando o ambiente da função Lua que as criou.

Ambientes associados com objetos do tipo userdata não possuem significado para Lua. É apenas uma conveniência para programadores associarem uma tabela a um objeto userdata.

Ambientes associados com fluxos de execução (threads) são chamados de ambientes globais. Eles são usados como o ambiente padrão pelos fluxos de execução e funções não aninhadas criadas pelo fluxo de execução e podem ser diretamente acessados pelo código C (ver §3.3).

O ambiente associado com uma função C pode ser diretamente acessado pelo código C (ver §3.3). Ele é usado como o ambiente padrão para outras funções C e objetos userdata criados pela função.

Ambientes associados com funções Lua são usados para resolver todos os acessos a variáveis globais dentro da função (ver §2.3). Eles são usados como o ambiente padrão para outras funções Lua criadas pela função.

É possível mudar o ambiente de uma função Lua ou do fluxo de execução que está sendo executado atualmente chamando setfenv. É possível obter o ambiente de uma função Lua ou do fluxo de execução sendo executado atualmente chamando getfenv. Para tratar o ambiente de outros objetos (userdata, funções C, outros fluxos de execução) você deve obrigatoriamente usar a API C.

2.10 - Coleta de Lixo

Lua realiza gerenciamento automático da memória. Isto significa que você não precisa se preocupar com a alocação de memória para novos objetos nem com a liberação de memória quando os objetos não são mais necessários. Lua gerencia a memória automaticamente executando um coletor de lixo de tempos em tempos para coletar todos os objetos mortos (ou seja, objetos que não são mais acessíveis a partir de Lua). Toda memória usada por Lua está sujeita ao gerenciamento automático de memória: tabelas, userdata, funções, fluxos de execução, cadeias de caracteres, etc.

Lua implementa um coletor de lixo marca-e-limpa (mark-and-sweep) incremental. O coletor usa dois números para controlar o seu ciclo de coleta de lixo: a pausa do coletor de lixo e o multiplicador de passo do coletor de lixo. O valor de ambos é expresso de forma percentual (ou seja, um valor de 100 representa um valor interno de 1).

A pausa do coletor de lixo controla quanto tempo o coletor espera antes de iniciar um novo ciclo. Valores maiores fazem o coletor ser menos agressivo. Valores menores do que 100 significam que o coletor não irá esperar para iniciar um novo ciclo. Um valor de 200 significa que o coletor irá esperar até que a memória total em uso dobre antes de iniciar um novo ciclo.

O multiplicador de passo controla a velocidade relativa do coletor em relação à alocação de memória. Valores maiores fazem o coletor ser mais agressivo mas também aumentam o tamanho de cada passo incremental. Valores menores do que 100 fazem com que o coletor seja muito lento e pode ocorrer que o coletor nunca termine um ciclo. O valor padrão, 200, significa que o coletor é executado a uma velocidade que é "duas vezes" a velocidade de alocação de memória.

É possível mudar estes números através de chamadas às funções lua_gc em C ou collectgarbage em Lua. Com estas funções você também pode controlar o coletor diretamente (e.g., pará-lo e reiniciá-lo).

2.10.1 - Metamétodos de Coleta de Lixo

Usando a API C, você pode configurar os metamétodos do coletor de lixo para objetos userdata (ver §2.8). Estes metamétodos também são chamados de finalizadores. Finalizadores permitem que você coordene a coleta de lixo de Lua com o gerenciamento de recursos externos (tais como o fechamento de arquivos, conexões de rede ou de bancos de dados ou a liberação de sua própria memória).

Objetos userdata com um campo __gc em suas metatabelas não são recolhidos imediatamente pelo coletor de lixo. Ao invés disso, Lua os coloca naquela lista. Depois que a coleta é realizada, Lua faz o equivalente da seguinte função para cada objeto userdata em uma lista:

     function gc_event (userdata)
       local h = metatable(userdata).__gc
       if h then
         h(userdata)
       end
     end

Ao final do ciclo de coleta de lixo, os finalizadores para os objetos userdata são chamados na ordem reversa ao de sua criação, entre aqueles coletados naquele ciclo. Isto é, o primeiro finalizador a ser chamado é aquele associado com o objeto userdata que foi criado por último no programa. O userdata só é efetivamente liberado no próximo ciclo de coleta de lixo.

2.10.2 - Tabelas Fracas

Uma tabela fraca é uma tabela cujos elementos são referências fracas. Uma referência fraca é ignorada pelo coletor de lixo. Em outras palavras, se as únicas referências para um objeto são referências fracas, então o coletor de lixo irá coletar este objeto.

Uma tabela fraca pode ter chaves fracas, valores fracos ou ambos. Uma tabela com chaves fracas permite a coleta de suas chaves mas impede a coleta de seus valores. Uma tabela com chaves fracas e valores fracos permite a coleta tanto das chaves como dos valores. Em qualquer caso, se a chave é coletada ou o valor é coletado, o par inteiro é removido da tabela. A fragilidade de uma tabela é controlada pelo campo __mode de sua metatabela. Se o campo __mode é uma cadeia de caracteres contendo o caractere 'k', as chaves da tabela são fracas. Se __mode contém 'v', os valores na tabela são fracos.

Depois de usar uma tabela como uma metatabela, não se deve mudar o valor de seu campo __mode. Caso contrário, o comportamento fraco das tabelas controladas por esta metatabela é indefinido.

2.11 - Co-rotinas

Lua oferece suporte a co-rotinas, também conhecidas como fluxos de execução (threads) colaborativos. Uma co-rotina em Lua representa um fluxo de execução independente. Ao contrário de processos leves em sistemas que dão suporte a múltiplos fluxos de execução, uma co-rotina somente suspende sua execução através de uma chamada explícita a uma função de cessão.

É possível criar uma co-rotina com uma chamada à coroutine.create. O seu único argumento é uma função que é a função principal da co-rotina. A função create somente cria uma nova co-rotina e retorna uma referência para ela (um objeto do tipo thread); ela não inicia a execução da co-rotina.

Quando a função coroutine.resume é chamada pela primeira vez, recebendo como seu primeiro argumento um objeto do tipo thread retornado por coroutine.create, a co-rotina inicia a sua execução, na primeira linha de sua função principal. Depois que a co-rotina começa a ser executada, ela continua executando até terminar ou ceder.

Uma função pode terminar sua execução de duas maneiras: normalmente, quando sua função principal retorna (explicitamente ou implicitamente, depois da última instrução); e de maneira anormal, se ocorre um erro não protegido. No primeiro caso, coroutine.resume retorna true mais quaisquer valores retornados pela função principal da co-rotina. No caso de acontecerem erros, coroutine.resume retorna false mais uma mensagem de erro.

Uma co-rotina cede a execução através de uma chamada à função coroutine.yield. Quando uma co-rotina cede, a coroutine.resume correspondente retorna imediatamente, mesmo se a cessão aconteceu dentro de uma chamada de função aninhada (isto é, não ocorreu dentro da função principal, mas em uma função chamada direta ou indiretamente pela função principal). No caso de uma cessão, coroutine.resume também retorna true, mais quaisquer valores passados para coroutine.yield. Na próxima vez que você recomeça a execução da mesma co-rotina, ela continua sua execução do ponto onde ela cedeu, com a chamada para coroutine.yield retornando quaisquer argumentos extras passados para coroutine.resume.

Como coroutine.create, a função coroutine.wrap também cria uma co-rotina, mas ao invés de retornar a própria co-rotina, ela retorna uma função que, quando chamada, retoma a execução da co-rotina. Quaisquer argumentos passados para esta função vão como argumentos extras para coroutine.resume. coroutine.wrap retorna todos os valores retornados por coroutine.resume, exceto o primeiro (o código booleano de erro). Diferentemente de coroutine.resume, coroutine.wrap não captura erros; qualquer erro é propagado para o chamador.

Como um exemplo, considere o seguinde código:

     function foo (a)
       print("foo", a)
       return coroutine.yield(2*a)
     end
     
     co = coroutine.create(function (a,b)
           print("co-body", a, b)
           local r = foo(a+1)
           print("co-body", r)
           local r, s = coroutine.yield(a+b, a-b)
           print("co-body", r, s)
           return b, "end"
     end)
            
     print("main", coroutine.resume(co, 1, 10))
     print("main", coroutine.resume(co, "r"))
     print("main", coroutine.resume(co, "x", "y"))
     print("main", coroutine.resume(co, "x", "y"))

Quando você executá-lo, ele produzirá a seguinte saída:

     co-body 1       10
     foo     2
     
     main    true    4
     co-body r
     main    true    11      -9
     co-body x       y
     main    true    10      end
     main    false   cannot resume dead coroutine

3 - A Interface de Programação da Aplicação (API)

Esta seção descreve a API C para Lua, ou seja, o conjunto de funções C disponíveis para o programa hospedeiro se comunicar com Lua. Todas as funções da API, bem como os tipos e constantes relacionados, estão declarados no arquivo de cabeçalho lua.h.

Mesmo quando usamos o termo "função", qualquer operação na API pode, de forma alternativa, ser provida como uma macro. Tais macros usam cada um dos seus argumentos exatamente uma vez (com exceção do primeiro argumento, que é sempre um estado Lua) e portanto não geram qualquer efeito colateral oculto.

Como na maioria das bibliotecas C, as funções da API Lua não verificam a validade ou a consistência dos seus argumentos. Contudo, é possível mudar este comportamento compilando Lua com uma definição apropriada para a macro luai_apicheck, no arquivo luaconf.h.

3.1 - A Pilha

Lua usa uma pilha virtual para passar e receber valores de C. Cada elemento nesta pilha representa um valor Lua (nil, um número, uma cadeia de caracteres, etc.).

Sempre que Lua chama C, a função chamada recebe uma nova pilha, que é independente de pilhas anteriores e de pilhas de funções C que ainda estejam ativas. Esta pilha contém inicialmente quaisquer argumentos para a função C e é onde a função C empilha os seus resultados para serem retornados ao chamador (ver lua_CFunction).

Por conveniência, a maioria das operações de consulta na API não segue uma disciplina estrita de pilha. Ao invés disso, elas podem se referir a qualquer elemento na pilha usando um índice: Um índice positivo representa uma posição absoluta na pilha (começando em 1); um índice negativo representa uma posição relativa ao topo da pilha. De maneira mais específica, se a pilha possui n elementos, então o índice 1 representa o primeiro elemento (isto é, o elemento que foi empilhado na pilha primeiro) e o índice n representa o último elemento; o índice -1 também representa o último elemento (isto é, o elemento no topo) e o índice -n representa o primeiro elemento. Dizemos que um índice é válido se ele está entre 1 e o topo da pilha (isto é, se 1 ≤ abs(índice) ≤ topo).

3.2 - Tamanho da Pilha

Quando você interage com a API de Lua, você é responsável por assegurar consistência. Em particular, você é responsável por controlar estouro da pilha. Você pode usar a função lua_checkstack para aumentar o tamanho da pilha.

Sempre que Lua chama C, ela assegura que pelo menos LUA_MINSTACK posições na pilha estão disponíveis. LUA_MINSTACK é definida como 20, então geralmente você não precisa se preocupar com o espaço da pilha a menos que o seu código possua laços empilhando elementos na pilha.

A maioria das funções de consulta aceita como índices qualquer valor dentro do espaço da pilha disponível, isto é, índices até o tamanho máximo da pilha que você configurou através da função lua_checkstack. Tais índices são chamados índices aceitáveis. Mais formalmente, definimos um índice aceitável como a seguir:

     (índice < 0 && abs(índice) <= topo) ||
     (índice > 0 && índice <= espaçodapilha)

Note que 0 nunca é um índice aceitável.

3.3 - Pseudo-Índices

A menos que seja dito o contrário, qualquer função que aceita índices válidos pode também ser chamada com pseudo-índices, que representam alguns valores Lua que são acessíveis para o código C mas que não estão na pilha. Pseudo-índices são usados para acessar o ambiente do fluxo de execução, o ambiente da função, o registro e os upvalues da função C (ver §3.4).

O ambiente do fluxo de execução (onde as variáveis globais existem) está sempre no pseudo-índice LUA_GLOBALSINDEX. O ambiente da função C rodando está sempre no pseudo-índice LUA_ENVIRONINDEX.

Para acessar e mudar o valor de variáveis globais, você pode usar operações de tabelas usuais sobre uma tabela de ambiente. Por exemplo, para acessar o valor de uma variável global, faça

     lua_getfield(L, LUA_GLOBALSINDEX, varname);

3.4 - Fechos C

Quando uma função C é criada, é possível associar alguns valores a ela, criando então um fecho C; estes valores são chamados de upvalues e são acessíveis para a função sempre que ela é chamada (ver lua_pushcclosure).

Sempre que uma função C é chamada, seus upvalues são posicionados em pseudo-índices específicos. Estes pseudo-índices são gerados pela macro lua_upvalueindex. O primeiro valor associado com uma função está na posição lua_upvalueindex(1), e assim por diante. Qualquer acesso a lua_upvalueindex(n), onde n é maior do que o número de upvalues da função atual (mas não é maior do que 256), produz um índice aceitável (embora inválido).

3.5 - Registro

Lua provê um registro, uma tabela pré-definida que pode ser usada por qualquer código C para armazenar qualquer valor Lua que o código C precise armazenar. Esta tabela está sempre localizada no pseudo-índice LUA_REGISTRYINDEX. Qualquer biblioteca de C pode armazenar dados nesta tabela, mas ela deve tomar cuidado para escolher chaves diferentes daquelas usadas por outras bibliotecas, para evitar colisões. Tipicamente, você deve usar como chave uma cadeia de caracteres contendo o nome da sua biblioteca ou um objeto do tipo userdata leve com o endereço de um objeto C em seu código.

As chaves inteiras no registro são usadas pelo mecanismo de referência, implementado pela biblioteca auxiliar, e portanto não devem ser usadas para outros propósitos.

3.6 - Tratamento de Erros em C

Internamente, Lua usa o mecanismo de longjmp de C para tratar erros. (Você pode também utilizar exceções se você usar C++; veja o arquivo luaconf.h.) Quando Lua se depara com qualquer erro (tais como erros de alocação de memória, erros de tipo, erros de sintaxe e erros de tempo de execução) ela dispara um erro; isto é, ela faz um desvio longo. Um ambiente protegido usa setjmp para estabelecer um ponto de recuperação; qualquer erro desvia o fluxo de execução para o ponto de recuperação ativado mais recentemente.

A maioria das funções na API pode disparar um erro, por exemplo devido a um erro de alocação de memória. A documentação para cada função indica se ela pode disparar erros.

Dentro de uma função C você pode disparar um erro chamando lua_error.

3.7 - Funções e Tipos

Listamos aqui todas as funções e tipos da API C em ordem alfabética. Cada função tem um indicador como este: [-o, +p, x]

O primeiro campo, o, representa quantos elementos a função desempilha da pilha. O segundo campo, p, indica quantos elementos a função empilha na pilha. (Qualquer função sempre empilha seus resultados depois de desempilhar seus argumentos.) Um campo na forma x|y significa que a função pode empilhar (ou desempilhar) x ou y elementos, dependendo da situação; uma marca de interrogação '?' significa que não podemos saber quantos elementos a função desempilha/empilha olhando somente os seus argumentos (e.g., o número de elementos pode depender do que está na pilha). O terceiro campo, x, diz se a funçao pode disparar erros: '-' significa que a função nunca dispara qualquer erro; 'm' significa que a função pode disparar um erro somente devido à falta de memória; 'e' significa que a função pode disparar outros tipos de erro; 'v' significa que a função pode disparar um erro de maneira proposital.


lua_Alloc

typedef void * (*lua_Alloc) (void *ud,
                             void *ptr,
                             size_t osize,
                             size_t nsize);

O tipo da função de alocação de memória usada pelos estados Lua. A função de alocação deve prover uma funcionalidade similar à de realloc, mas não exatamente a mesma. Seus argumentos são ud, um ponteiro opaco passado para lua_newstate; ptr, um ponteiro para o bloco sendo alocado/realocado/liberado; osize, o tamanho original do bloco; e nsize, o novo tamanho do bloco. ptr é NULL se e somente se osize é zero. Quando nsize é zero, a função de alocação deve retornar NULL; se osize é diferente de zero, o bloco de memória apontado por ptr deve ser liberado. Quando nsize não é zero, a função de alocação retorna NULL se e somente se ela não pode alocar o tamanho do bloco requisitado. Quando nsize não é zero e osize é zero, a função de alocação deve comportar-se como malloc. Quando nsize e osize não são zero, a função de alocação comporta-se como realloc. Lua assume que a função de alocação nunca falha quando osize >= nsize.

Temos a seguir uma implementação simples para a função de alocação. Ela é usada na biblioteca auxiliar por luaL_newstate.

     static void *l_alloc (void *ud, void *ptr, size_t osize,
                                                size_t nsize) {
       (void)ud;  (void)osize;  /* não utilizados */
       if (nsize == 0) {
         free(ptr);
         return NULL;
       }
       else
         return realloc(ptr, nsize);
     }

Este código assume que free(NULL) não possui nenhum efeito e que realloc(NULL, size) é equivalente a malloc(size). ANSI C garante esses dois comportamentos.


lua_atpanic

[-0, +0, -]

lua_CFunction lua_atpanic (lua_State *L, lua_CFunction panicf);

Estabelece uma nova função de pânico e retorna a função de pânico antiga.

Se um erro ocorre fora de qualquer ambiente protegido, Lua chama uma função de pânico e então chama exit(EXIT_FAILURE), terminando então a aplicação hospedeira. A sua função de pânico pode evitar esta saída caso ela nunca retorne (e.g., fazendo uma desvio longo).

A função de pânico pode acessar a mensagem de erro no topo da pilha.


lua_call

[-(nargs + 1), +nresults, e]

void lua_call (lua_State *L, int nargs, int nresults);

Chama uma função.

Para chamar uma função você deve usar o seguinte protocolo: primeiro, a função a ser chamada é empilhada na pilha; em seguida, os argumentos da função são empilhados em ordem direta; isto é, o primeiro argumento é empilhado primeiro. Por último você chama lua_call; nargs é o número de argumentos que você empilhou na pilha. Todos os argumentos e o valor da função são desempilhados da pilha quando a função é chamada. Os resultados da função são empilhados na pilha quando a função retorna. O número de resultados é ajustado para nresults, a menos que nresults seja LUA_MULTRET. Neste caso, todos os resultados da função são empilhados. Lua cuida para que os valores retornados caibam dentro do espaço da pilha. Os resultados da função são empilhados na pilha em ordem direta (o primeiro resultado é empilhado primeiro), de modo que depois da chamada o último resultado está no topo da pilha.

Qualquer erro dentro da função chamada é propagado para cima (com um longjmp).

O seguinte exemplo mostra como o programa hospedeiro pode fazer o equivalente a este código Lua:

     a = f("how", t.x, 14)

Aqui está o mesmo código em C:

     lua_getfield(L, LUA_GLOBALSINDEX, "f");  /* função a ser chamada */
     lua_pushstring(L, "how");                  /* primeiro argumento */
     lua_getfield(L, LUA_GLOBALSINDEX, "t"); /* tabela a ser indexada */
     lua_getfield(L, -1, "x"); /* empilha o resultado de t.x (2º arg) */
     lua_remove(L, -2);                        /* remove 't' da pilha */
     lua_pushinteger(L, 14);                          /* 3º argumento */
     lua_call(L, 3, 1);   /* chama 'f' com 3 argumentos e 1 resultado */
     lua_setfield(L, LUA_GLOBALSINDEX, "a"); /* estabelece 'a' global */

Note que o código acima é "balanceado": ao seu final, a pilha está de volta à sua configuração original. Isto é considerado uma boa prática de programação.


lua_CFunction

typedef int (*lua_CFunction) (lua_State *L);

O tipo para funções C.

A fim de se comunicar apropriadamente com Lua, uma função C deve usar o seguinte protocolo, o qual define o modo como parâmetros e resultados são passados: uma função C recebe seus argumentos de Lua na sua pilha em ordem direta (o primeiro argumento é empilhado primeiro). Portanto, quando a função inicia, lua_gettop(L) retorna o número de argumentos recebidos pela função. O primeiro argumento (se houver) está no índice 1 e seu último argumento está no índice lua_gettop(L). Para retornar valores para Lua, uma função C apenas os empilha na pilha, em ordem direta (o primeiro resultado é empilhado primeiro) e retorna o número de resultados. Qualquer outro valor na pilha abaixo dos resultados será devidamente descartado por Lua. Como uma função Lua, uma função C chamada por Lua também pode retornar muitos resultados.

Como um exemplo, a seguinte função recebe um número variável de argumentos numéricos e retorna a média e a soma deles:

     static int foo (lua_State *L) {
       int n = lua_gettop(L);   /* número de argumentos */
       lua_Number sum = 0;
       int i;
       for (i = 1; i <= n; i++) {
         if (!lua_isnumber(L, i)) {
           lua_pushstring(L, "incorrect argument");
           lua_error(L);
         }
         sum += lua_tonumber(L, i);
       }
       lua_pushnumber(L, sum/n);  /* primeiro resultado */
       lua_pushnumber(L, sum);     /* segundo resultado */
       return 2;                /* número de resultados */
     }

lua_checkstack

[-0, +0, m]

int lua_checkstack (lua_State *L, int extra);

Garante que existem pelo menos extra posições disponíveis na pilha. A função retorna falso se ela não puder aumentar o tamanho da pilha para o tamanho desejado. Esta função nunca comprime a pilha; se a pilha já é maior do que o novo tamanho, ela não terá o seu tamanho modificado.


lua_close

[-0, +0, -]

void lua_close (lua_State *L);

Destrói todos os objetos no estado Lua fornecido (chamando os metamétodos de coleta de lixo correspondentes, se houver) e libera toda a memória dinâmica usada por aquele estado. Em várias plataformas, pode não ser necessário chamar esta função, porque todos os recursos são naturalmente liberados quando o programa hospedeiro morre. Por outro lado, programas que ficam rodando por muito tempo, como um daemon ou um servidor web, podem precisar liberar estados tão logo eles não sejam mais necessários, para evitar um crescimento demasiado do uso da memória.


lua_concat

[-n, +1, e]

void lua_concat (lua_State *L, int n);

Concatena os n valores no topo da pilha, desempilha-os e deixa o resultado no topo da pilha. Se n é 1, o resultado é o único valor na pilha (isto é, a função não faz nada); se n é 0, o resultado é a cadeia de caracteres vazia. A concatenação é realizada de acordo com a semântica usual de Lua (ver §2.5.4).


lua_cpcall

[-0, +(0|1), -]

int lua_cpcall (lua_State *L, lua_CFunction func, void *ud);

Chama a função C func em modo protegido. func inicia somente com um único elemento na sua pilha, o objeto userdata leve contendo ud. Em caso de erros, lua_cpcall retorna o mesmo código de erro de lua_pcall, mais o objeto de erro no topo da pilha; caso contrário, ela retorna zero e não muda a pilha. Todos os valores retornados por func são descartados.


lua_createtable

[-0, +1, m]

void lua_createtable (lua_State *L, int narr, int nrec);

Cria uma nova tabela vazia e a empilha no topo da pilha. A nova tabela possui espaço pré-alocado para narr elementos array e nrec elementos não-array. Esta pré-alocação é útil quando você sabe exatamente quantos elementos a tabela irá ter. Caso contrário você pode usar a função lua_newtable.


lua_dump

[-0, +0, m]

int lua_dump (lua_State *L, lua_Writer writer, void *data);

Descarrega uma função como um trecho de código binário. Recebe um função Lua no topo da pilha e produz um trecho de código binário que, se carregado novamente, resulta em uma função equivalente àquela que foi descarregada. Para produzir partes do trecho de código, lua_dump chama a função writer (ver lua_Writer) com o argumento data fornecido para escrevê-los.

O valor retornado é o código de erro retornado pela última chamada à função writer; 0 significa que não ocorreram erros.

Esta função não desempilha a função Lua da pilha.


lua_equal

[-0, +0, e]

int lua_equal (lua_State *L, int index1, int index2);

Retorna 1 se os dois valores nos índices aceitáveis index1 e index2 são iguais, seguindo a semântica do operador == de Lua (ou seja, pode chamar metamétodos). Caso contrário retorna 0. Também retorna 0 se qualquer um dos índices não é válido.


lua_error

[-1, +0, v]

int lua_error (lua_State *L);

Gera um erro Lua. A mensagem de erro (que pode ser de fato um valor Lua de qualquer tipo) deve estar no topo da pilha. Esta função faz um desvio longo e portanto nunca retorna. (ver luaL_error).


lua_gc

[-0, +0, e]

int lua_gc (lua_State *L, int what, int data);

Controla o coletor de lixo.

Esta função realiza várias tarefas, de acordo com o valor do parâmetro what:


lua_getallocf

[-0, +0, -]

lua_Alloc lua_getallocf (lua_State *L, void **ud);

Retorna a função de alocação de memória de um dado estado. Se ud não é NULL, Lua armazena em *ud o ponteiro opaco passado para lua_newstate.


lua_getfenv

[-0, +1, -]

void lua_getfenv (lua_State *L, int index);

Coloca na pilha a tabela de ambiente do valor no índice fornecido.


lua_getfield

[-0, +1, e]

void lua_getfield (lua_State *L, int index, const char *k);

Coloca na pilha o valor t[k], onde t é o valor no índice válido fornecido. Como em Lua, esta função pode disparar um metamétodo para o evento "index" (ver §2.8).


lua_getglobal

[-0, +1, e]

void lua_getglobal (lua_State *L, const char *name);

Coloca na pilha o valor da global name. Esta função é definida como uma macro:

     #define lua_getglobal(L,s)  lua_getfield(L, LUA_GLOBALSINDEX, s)

lua_getmetatable

[-0, +(0|1), -]

int lua_getmetatable (lua_State *L, int index);

Coloca na pilha a metatabela do valor no índice aceitável fornecido. Se o índice não é válido ou se o valor não possui uma metatabela, a função retorna 0 e não coloca nada na pilha.


lua_gettable

[-1, +1, e]

void lua_gettable (lua_State *L, int index);

Coloca na pilha o valor t[k], onde t é o valor no índice válido fornecido e k é o valor no topo da pilha.

Esta função desempilha a chave 'k' (colocando o resultado no seu lugar). Como em Lua, esta função pode disparar um metamétodo para o evento "index" (ver §2.8).


lua_gettop

[-0, +0, -]

int lua_gettop (lua_State *L);

Retorna o índice do elemento no topo da pilha. Visto que os índices começam em 1, este resultado é igual ao número de elementos na pilha (e portanto 0 significa uma pilha vazia).


lua_insert

[-1, +1, -]

void lua_insert (lua_State *L, int index);

Move o elemento no topo para o índice válido fornecido, deslocando os elementos acima deste índice para abrir espaço. Esta função não pode ser chamada com um pseudo-índice, porque um pseudo-índice não é uma posição real da pilha.


lua_Integer

typedef ptrdiff_t lua_Integer;

O tipo usado pela API Lua para representar valores inteiros.

O tipo padrão é um ptrdiff_t, que é usualmente o maior tipo inteiro com sinal que a máquina manipula "confortavelmente".


lua_isboolean

[-0, +0, -]

int lua_isboolean (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido possui tipo booleano e 0 caso contrário.


lua_iscfunction

[-0, +0, -]

int lua_iscfunction (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido é uma função C e 0 caso contrário.


lua_isfunction

[-0, +0, -]

int lua_isfunction (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido é uma função (C ou Lua) e 0 caso contrário.


lua_islightuserdata

[-0, +0, -]

int lua_islightuserdata (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido é um objeto userdata leve e 0 caso contrário.


lua_isnil

[-0, +0, -]

int lua_isnil (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido é nil e 0 caso contrário.


lua_isnone

[-0, +0, -]

int lua_isnone (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o índice aceitável fornecido não é válido (isto é, se ele se refere a um elemento fora do espaço da pilha corrente) e 0 caso contrário.


lua_isnoneornil

[-0, +0, -]

int lua_isnoneornil (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o índice aceitável fornecido não é válido (isto é, se ele se refere a um elemento fora do espaço da pilha corrente) ou se o valor neste índice é nil e 0 caso contrário.


lua_isnumber

[-0, +0, -]

int lua_isnumber (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido é um número ou uma cadeia de caracteres que pode ser convertida para um número e 0 caso contrário.


lua_isstring

[-0, +0, -]

int lua_isstring (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido é uma cadeia de caracteres ou um número (o qual sempre pode ser convertido para uma cadeia) e 0 caso contrário.


lua_istable

[-0, +0, -]

int lua_istable (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido é uma tabela e 0 caso contrário.


lua_isthread

[-0, +0, -]

int lua_isthread (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido é do tipo thread e 0 caso contrário.


lua_isuserdata

[-0, +0, -]

int lua_isuserdata (lua_State *L, int index);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável fornecido é um objeto userdata (completo ou leve) e 0 caso contrário.


lua_lessthan

[-0, +0, e]

int lua_lessthan (lua_State *L, int index1, int index2);

Retorna 1 se o valor no índice aceitável index1 é menor do que o valor no índice aceitável index2, seguindo a semântica do operador < de Lua (ou seja, pode chamar metamétodos). Caso contrário retorna 0. Também retorna 0 se qualquer um dos índices não for válido.


lua_load

[-0, +1, -]

int lua_load (lua_State *L,
              lua_Reader reader,
              void *data,
              const char *chunkname);

Carrega um trecho de código Lua. Se não ocorrer nenhum erro, lua_load empilha o trecho compilado como uma função Lua no topo da pilha. Caso contrário, empilha uma mensagem de erro. Os valores de retorno de lua_load são:

Esta função somente carrega um trecho; ela não o executa.

lua_load automaticamente detecta se o trecho está na forma de texto ou na forma binária e o carrega de maneira correta (veja o programa luac).

A função lua_load usa uma função reader fornecida pelo usuário para ler o trecho de código (ver lua_Reader). O argumento data é um valor opaco passado para a função de leitura.

O argumento chunkname dá um nome ao trecho, o qual é usado para mensagens de erro e em informações de depuração (ver §3.8).


lua_newstate

[-0, +0, -]

lua_State *lua_newstate (lua_Alloc f, void *ud);

Cria um estado novo independente. Retorna NULL se não puder criar o estado (devido à falta de memória). O argumento f é a função de alocação; Lua faz toda a alocação de memória para este estado através desta função. O segundo argumento, ud, é um ponteiro opaco que Lua simplesmente passa para a função de alocação a cada chamada.


lua_newtable

[-0, +1, m]

void lua_newtable (lua_State *L);

Cria uma nova tabela vazia e a coloca na pilha. É equivalente a lua_createtable(L, 0, 0).


lua_newthread

[-0, +1, m]

lua_State *lua_newthread (lua_State *L);

Cria um novo objeto do tipo thread, coloca-o na pilha e retorna um ponteiro para um lua_State que representa este novo fluxo de execução. O novo fluxo de execução retornado por esta função compartilha todos os objetos globais (tais como tabelas) com o estado original, mas possui uma pilha de execução independente.

Não há uma função explícita para terminar ou destruir um fluxo de execução. Objetos do tipo thread estão sujeitos à coleta de lixo, assim como qualquer outro objeto de Lua.


lua_newuserdata

[-0, +1, m]

void *lua_newuserdata (lua_State *L, size_t size);

Esta função aloca um novo bloco de memória com o tamanho fornecido, coloca na pilha um novo objeto userdata completo com o endereço do bloco e retorna este endereço.

Objetos userdata representam valores C em Lua. Um userdata completo representa um bloco de memória. Ele é um objeto (assim como uma tabela): você deve criá-lo, ele pode ter sua própria metatabela e você pode detectar quando ele está sendo coletado. Um objeto userdata completo somente é igual a ele mesmo (usando a igualdade primitiva, sem o uso de metamétodos).

Quando Lua coleta um userdata completo com um metamétodo gc, Lua chama o metamétodo e marca o userdata como finalizado. Quando este userdata é coletado novamente então Lua libera sua memória correspondente.


lua_next

[-1, +(2|0), e]

int lua_next (lua_State *L, int index);

Desempilha uma chave da pilha e empilha um par chave-valor da tabela no índice fornecido (o "próximo" par depois da chave fornecida). Se não há mais elementos na tabela, então lua_next retorna 0 (e não empilha nada).

Um percorrimento típico parece com este:

     /* tabela está na pilha no índice 't'' */
     lua_pushnil(L);  /* primeira chave */
     while (lua_next(L, t) != 0) {
       /* usa 'key' (no índice -2) e 'value' (no índice -1) */
       printf("%s - %s\n",
              lua_typename(L, lua_type(L, -2)),
              lua_typename(L, lua_type(L, -1)));
       /* remove 'value'; guarda 'key'  para a próxima iteração */
       lua_pop(L, 1);
     }

Durante o percorrimento de uma tabela, não chame lua_tolstring diretamente sobre uma chave, a menos que você saiba que a chave é realmente uma cadeia de carecteres. Lembre-se que lua_tolstring altera o valor no índice fornecido; isto confunde a próxima chamada para lua_next.


lua_Number

typedef double lua_Number;

O tipo de números em Lua. Por padrão, ele é double, mas pode ser mudado em luaconf.h.

Através do arquivo de configuração é possível mudar Lua para operar com outro tipo para números (e.g., float ou long).


lua_objlen

[-0, +0, -]

size_t lua_objlen (lua_State *L, int index);

Retorna o "comprimento" do valor no índice aceitável fornecido: para cadeias de caracteres, isto é o comprimento da cadeia; para tabelas, isto é o resultado do operador de comprimento ('#'); para objetos do tipo userdata, isto é o tamanho do bloco de memória alocado para o userdata; para outros valores, o tamanho é 0.


lua_pcall

[-(nargs + 1), +(nresults|1), -]

int lua_pcall (lua_State *L, int nargs, int nresults, int errfunc);

Chama uma função em modo protegido.

Tanto nargs quanto nresults possuem o mesmo significado que possuíam em lua_call. Se não há erros durante a chamada, lua_pcall comporta-se exatamente como lua_call. Contudo, se há qualquer erro, lua_pcall o captura, coloca um único valor na pilha (a mensagem de erro) e retorna um código de erro. Como lua_call, lua_pcall sempre remove a função e seus argumentos da pilha.

Se errfunc é 0, então a mensagem de erro retornada na pilha é exatamente a mensagem de erro original. Caso contrário, errfunc é o índice na pilha de um função de tratamento de erros. (Na implementação atual, este índice não pode ser um pseudo-índice.) No caso de erros de tempo de execução, esta função será chamada com a mensagem de erro e seu valor de retorno será a mensagem retornada na pilha por lua_pcall.

Tipicamente, a função de tratamento de erros é usada para adicionar mais informação de depuração à mensagem de erro, como um traço da pilha. Tal informação não pode ser obtida após o retorno de lua_pcall, pois neste ponto a pilha já foi desfeita.

A função lua_pcall retorna 0 em caso de sucesso ou um dos seguintes códigos de erro (definidos em lua.h):


lua_pop

[-n, +0, -]

void lua_pop (lua_State *L, int n);

Desempilha n elementos da pilha.


lua_pushboolean

[-0, +1, -]

void lua_pushboolean (lua_State *L, int b);

Empilha um valor booleano com valor b na pilha.


lua_pushcclosure

[-n, +1, m]

void lua_pushcclosure (lua_State *L, lua_CFunction fn, int n);

Empilha um novo fecho C na pilha.

Quando uma função C é criada, é possível associar alguns valores a ela, criando então um fecho C (ver §3.4); estes valores são então acessíveis para a função sempre que ela é chamada. Para associar valores com uma função C, primeiro estes valores devem ser colocados na pilha (quando há múltiplos valores, o primeiro valor é empilhado primeiro). Então lua_pushcclosure é chamada para criar e colocar a função C na pilha, com o argumento n informando quantos valores devem ser associados com a função. lua_pushcclosure também desempilha estes valores da pilha.

O valor máximo para n é 255.


lua_pushcfunction

[-0, +1, m]

void lua_pushcfunction (lua_State *L, lua_CFunction f);

Empilha uma função C na pilha. Esta função recebe um ponteiro para uma função C e coloca na pilha um valor Lua do tipo function que, quando chamado, invoca a função C correspondente.

Qualquer função para ser registrada em Lua deve seguir o protocolo correto para receber seus parâmetros e retornar seus resultados (ver lua_CFunction).

lua_pushcfunction é definida como uma macro:

     #define lua_pushcfunction(L,f)  lua_pushcclosure(L,f,0)

lua_pushfstring

[-0, +1, m]

const char *lua_pushfstring (lua_State *L, const char *fmt, ...);

Coloca na pilha uma cadeia de caracteres formatada e retorna um ponteiro para esta cadeia. Ela é similar à função C sprintf, mas possui algumas diferenças importantes:


lua_pushinteger

[-0, +1, -]

void lua_pushinteger (lua_State *L, lua_Integer n);

Coloca um número com valor n na pilha.


lua_pushliteral

[-0, +1, m]

void lua_pushliteral (lua_State *L, const char *s);

Esta macro é equivalente a lua_pushlstring, mas somente pode ser usada quando s é uma cadeia literal. Nestes casos, a macro automaticamente provê o comprimento da cadeia.


lua_pushlightuserdata

[-0, +1, -]

void lua_pushlightuserdata (lua_State *L, void *p);

Coloca um objeto do tipo userdata leve na pilha.

Um userdata representa valores de C em Lua. Um userdata leve representa um ponteiro. Ele é um valor (como um número): você não pode criá-lo, ele não possui uma metatabela individual e ele não é coletado (uma vez que ele nunca foi criado). Um userdata leve é igual a "qualquer" userdata leve com o mesmo endereço C.


lua_pushlstring

[-0, +1, m]

void lua_pushlstring (lua_State *L, const char *s, size_t len);

Empilha a cadeia de caracteres apontada por s com tamanho len na pilha. Lua cria (ou reusa) uma cópia interna da cadeia fornecida, de forma que a memória apontada por s pode ser liberada ou reutilizada imediatamente após o retorno da função. A cadeia pode conter zeros dentro dela.


lua_pushnil

[-0, +1, -]

void lua_pushnil (lua_State *L);

Coloca um valor nil na pilha.


lua_pushnumber

[-0, +1, -]

void lua_pushnumber (lua_State *L, lua_Number n);

Coloca um número com valor n na pilha.


lua_pushstring

[-0, +1, m]

void lua_pushstring (lua_State *L, const char *s);

Empilha a cadeia terminada por zero apontada por s na pilha. Lua cria (ou reusa) uma cópia interna da cadeia fornecida, de forma que a memória apontada por s pode ser liberada ou reutilizada imediatamente após o retorno da função. A cadeia não pode conter zeros dentro dela; assume-se que a cadeia termina no primeiro zero.


lua_pushthread

[-0, +1, -]

int lua_pushthread (lua_State *L);

Empilha o fluxo de execução representado por L na pilha. Retorna 1 se este fluxo de execução é o fluxo de execução principal do seu estado.


lua_pushvalue

[-0, +1, -]

void lua_pushvalue (lua_State *L, int index);

Empilha uma cópia do elemento no índice válido fornecido na pilha.


lua_pushvfstring

[-0, +1, m]

const char *lua_pushvfstring (lua_State *L,
                              const char *fmt,
                              va_list argp);

Equivalente a lua_pushfstring, exceto que esta função recebe uma va_list ao invés de um número variável de argumentos.


lua_rawequal

[-0, +0, -]

int lua_rawequal (lua_State *L, int index1, int index2);

Retorna 1 se os dois valores nos índices aceitáveis index1 e index2 são iguais primitivamente (isto é, sem fazer chamadas a metamétodos). Caso contrário retorna 0. Também retorna 0 se qualquer um dos índices não for válido.


lua_rawget

[-1, +1, -]

void lua_rawget (lua_State *L, int index);

Similar a lua_gettable, mas faz um acesso primitivo (i.e., sem usar metamétodos).


lua_rawgeti

[-0, +1, -]

void lua_rawgeti (lua_State *L, int index, int n);

Coloca na pilha o valor t[n], onde t é o valor no índice válido fornecido. O acesso é primitivo; isto é, ele não invoca metamétodos.


lua_rawset

[-2, +0, m]

void lua_rawset (lua_State *L, int index);

Similar a lua_settable, mas faz uma atribuição primitiva (i.e., sem usar metamétodos).


lua_rawseti

[-1, +0, m]

void lua_rawseti (lua_State *L, int index, int n);

Faz o equivalente a t[n] = v, onde t é o valor no índice válido fornecido e v é o valor no topo da pilha.

Esta função desempilha o valor da pilha. A atribuição é primitiva; isto é, ela não invoca metamétodos.


lua_Reader

typedef const char * (*lua_Reader) (lua_State *L,
                                    void *data,
                                    size_t *size);

A função de leitura usada por lua_load. Toda vez que ela precisa de outro pedaço do trecho, lua_load chama a função de leitura, passando junto o seu parâmetro data. A função de leitura deve retornar um ponteiro para um bloco de memória com um novo pedaço do trecho e atribuir a *size o tamanho do bloco. O bloco deve existir até que a função de leitura seja chamada novamente. Para sinalizar o fim do trecho, a função de leitura deve retornar NULL ou atribuir zero a size. A função de leitura pode retornar pedaços de qualquer tamanho maior do que zero.


lua_register

[-0, +0, e]

void lua_register (lua_State *L,
                   const char *name,
                   lua_CFunction f);

Estabelece a função C f como o novo valor da global name. Esta função é definida como uma macro:

     #define lua_register(L,n,f) \
            (lua_pushcfunction(L, f), lua_setglobal(L, n))

lua_remove

[-1, +0, -]

void lua_remove (lua_State *L, int index);

Remove o elemento no índice válido fornecido, deslocando para baixo os elementos acima deste índice para preencher o buraco. Esta função não pode ser chamada com um pseudo-índice, visto que o pseudo-índice não é uma posição real da pilha.


lua_replace

[-1, +0, -]

void lua_replace (lua_State *L, int index);

Move o elemento do topo para a posição fornecida (e desempilha-o), sem deslocar qualquer elemento (substituindo portanto o valor na posição fornecida).


lua_resume

[-?, +?, -]

int lua_resume (lua_State *L, int narg);

Inicia e recomeça uma co-rotina em um fluxo de execução.

Para iniciar uma co-rotina, você deve primeiro criar um novo fluxo de execução (ver lua_newthread); em seguida você deve colocar na sua pilha a função principal mais quaisquer argumentos; por último você chama lua_resume, com narg sendo o número de argumentos. Esta chamada retorna quando a co-rotina suspende ou finaliza sua execução. Quando ela retorna, a pilha contém todos os valores passados para lua_yield ou todos os valores retornados pelo corpo da função. lua_resume retorna LUA_YIELD se a co-rotina cede, 0 se a co-rotina termina sua execução sem erros ou um código de erro no caso de acontecerem erros (ver lua_pcall). No caso de erros, a pilha não é desfeita, de forma que você pode usar a API de depuração sobre ela. A mensagem de erro está no topo da pilha. Para reiniciar uma co-rotina, você deve colocar na pilha dela somente os valores a serem passados como resultados de yield e então chamar lua_resume.


lua_setallocf

[-0, +0, -]

void lua_setallocf (lua_State *L, lua_Alloc f, void *ud);

Muda a função de alocação de um dado estado para f com objeto userdata ud.


lua_setfenv

[-1, +0, -]

int lua_setfenv (lua_State *L, int index);

Desempilha uma tabela da pilha e estabelece esta tabela como sendo o novo ambiente para o valor no índice fornecido. Se o valor no índice fornecido não é nem uma função, nem um fluxo de execução e nem um objeto userdata, lua_setfenv retorna 0. Caso contrário a função retorna 1.


lua_setfield

[-1, +0, e]

void lua_setfield (lua_State *L, int index, const char *k);

Faz o equivalente a t[k] = v, onde t é o valor no índice válido fornecido e v é o valor no topo da pilha.

Esta função desempilha o valor da pilha. Como em Lua, esta função pode disparar um metamétodo para o evento "newindex" (ver §2.8).


lua_setglobal

[-1, +0, e]

void lua_setglobal (lua_State *L, const char *name);

Desempilha um valor da pilha e o estabelece como o novo valor da global name. Esta função é definida como uma macro:

     #define lua_setglobal(L,s)   lua_setfield(L, LUA_GLOBALSINDEX, s)

lua_setmetatable

[-1, +0, -]

int lua_setmetatable (lua_State *L, int index);

Desempilha uma tabela da pilha e estabelece esta tabela como a nova metatabela para o valor no índice aceitável fornecido.


lua_settable

[-2, +0, e]

void lua_settable (lua_State *L, int index);

Faz o equivalente a t[k] = v, onde t é o valor no índice válido fornecido, v é o valor no topo da pilha e k é o valor logo abaixo do topo.

Esta função desempilha tanto a chave como o valor da pilha. Da mesma forma que em Lua, esta função pode disparar um metamétodo para o evento "newindex" (ver §2.8).


lua_settop

[-?, +?, -]

void lua_settop (lua_State *L, int index);

Aceita qualquer índice aceitável, ou 0, e estabelece este índice como o topo da pilha. Se o novo topo é maior do que o antigo, então os novos elementos são preenchidos com nil. Se index é 0, então todos os elementos da pilha são removidos.


lua_State

typedef struct lua_State lua_State;

Estrutura opaca que guarda o estado completo de um interpretador Lua. A biblioteca de Lua é totalmente reentrante: não existem variáveis globais. Toda a informação sobre um estado é mantida nesta estrutura.

Um ponteiro para este estado deve ser passado como o primeiro argumento para toda função na biblioteca, exceto para lua_newstate, que cria um novo estado Lua a partir do zero.


lua_status

[-0, +0, -]

int lua_status (lua_State *L);

Retorna o status do fluxo de execução L.

O status pode ser 0 para um fluxo de execução normal, um código de erro se o fluxo de execução terminou sua execução com um erro ou LUA_YIELD se o fluxo de execução está suspenso.


lua_toboolean

[-0, +0, -]

int lua_toboolean (lua_State *L, int index);

Converte um valor Lua no índice aceitável fornecido para um valor booleano C (0 ou 1). Como todos os testes em Lua, lua_toboolean retorna 1 para qualquer valor Lua diferente de false e de nil; caso contrário a função retorna 0. A função também retorna 0 quando chamada com um índice não válido. (Se você quiser aceitar somente valores booleanos de fato, use lua_isboolean para testar o tipo do valor.)


lua_tocfunction

[-0, +0, -]

lua_CFunction lua_tocfunction (lua_State *L, int index);

Converte um valor no índice aceitável fornecido para uma função C. Tal valor deve ser uma função C; caso contrário, retorna NULL.


lua_tointeger

[-0, +0, -]

lua_Integer lua_tointeger (lua_State *L, int index);

Converte o valor Lua no índice aceitável fornecido para o tipo inteiro com sinal lua_Integer. O valor Lua deve ser um número ou uma cadeia que pode ser convertida para um número (ver §2.2.1); caso contrário, lua_tointeger retorna 0.

Se o número não é um inteiro, ele é truncado de alguma maneira não especificada.


lua_tolstring

[-0, +0, m]

const char *lua_tolstring (lua_State *L, int index, size_t *len);

Converte o valor Lua no índice aceitável fornecido para uma cadeia C. Se len não é NULL, a função também estabelece *len como o comprimento da cadeia. O valor Lua deve ser uma cadeia de caracteres ou um número; caso contrário, a função retorna NULL. Se o valor é um número, então lua_tolstring também muda o valor real na pilha para uma cadeia. (Esta mudança confunde lua_next quando lua_tolstring é aplicada a chaves durante um percorrimento de tabela.)

lua_tolstring retorna um ponteiro totalmente alinhado para uma cadeia de caracteres dentro do estado Lua. Esta cadeia sempre tem um zero ('\0') após o seu último caractere (como em C), mas pode conter outros zeros no seu corpo. Visto que Lua possui coleta de lixo, não há garantia de que o ponteiro retornado por lua_tolstring será válido após o valor correspondente ser removido da pilha.


lua_tonumber

[-0, +0, -]

lua_Number lua_tonumber (lua_State *L, int index);

Converte o valor Lua no índice aceitável fornecido para o tipo C lua_Number (ver lua_Number). O valor Lua deve ser um número ou uma cadeia que pode ser convertida para um número (ver §2.2.1); caso contrário, lua_tonumber retorna 0.


lua_topointer

[-0, +0, -]

const void *lua_topointer (lua_State *L, int index);

Converte o valor no índice aceitável fornecido para um ponteiro C genérico (void*). O valor pode ser um objeto userdata, uma tabela, um fluxo de execução ou uma função; objetos diferentes irão fornecer ponteiros diferentes. Não há maneira de converter o ponteiro de volta ao seu valor original.

Tipicamente esta função é usada somente para informações de depuração.


lua_tostring

[-0, +0, m]

const char *lua_tostring (lua_State *L, int index);

Equivalente a lua_tolstring com len sendo igual a NULL.


lua_tothread

[-0, +0, -]

lua_State *lua_tothread (lua_State *L, int index);

Converte o valor no índice aceitável fornecido para um fluxo de execução (representado como lua_State*). Este valor deve ser um fluxo de execução; caso contrário, a função retorna NULL.


lua_touserdata

[-0, +0, -]

void *lua_touserdata (lua_State *L, int index);

Se o valor no índice aceitável fornecido é um objeto userdata completo, a função retorna o endereço do seu bloco. Se o valor é um userdata leve, a função retorna seu ponteiro. Caso contrário, retorna NULL.


lua_type

[-0, +0, -]

int lua_type (lua_State *L, int index);

Retorna o tipo do valor no índice aceitável fornecido ou LUA_TNONE para um índice não válido (isto é, um índice para uma posição da pilha "vazia"). Os tipos retornados por lua_type são codificados pelas seguintes constantes definidas em lua.h: LUA_TNIL, LUA_TNUMBER, LUA_TBOOLEAN, LUA_TSTRING, LUA_TTABLE, LUA_TFUNCTION, LUA_TUSERDATA, LUA_TTHREAD e LUA_TLIGHTUSERDATA.


lua_typename

[-0, +0, -]

const char *lua_typename  (lua_State *L, int tp);

Retorna o nome do tipo codificado pelo valor tp, que deve ser um dos valores retornados por lua_type.


lua_Writer

typedef int (*lua_Writer) (lua_State *L,
                           const void* p,
                           size_t sz,
                           void* ud);

O tipo da função de escrita usada por lua_dump. Toda vez que ela produz outro pedaço de trecho, lua_dump chama a função de escrita, passando junto o buffer a ser escrito (p), seu tamanho (sz) e o parâmetro data fornecido para lua_dump.

A função de escrita retorna um código de erro: 0 significa nenhum erro; qualquer outro valor significa um erro e faz lua_dump parar de chamar a função de escrita.


lua_xmove

[-?, +?, -]

void lua_xmove (lua_State *from, lua_State *to, int n);

Troca valores entre diferentes fluxos de execução do mesmo estado global.

Esta função desempilha n valores da pilha from e os empilha na pilha to.


lua_yield

[-?, +?, -]

int lua_yield  (lua_State *L, int nresults);

Cede uma co-rotina.

Esta função somente deve ser chamada como a expressão de retorno de uma função C, como a seguir:

     return lua_yield (L, nresults);

Quando uma função C chama lua_yield desta maneira, a co-rotina sendo executada suspende a sua execução e a chamada a lua_resume que iniciou esta co-rotina retorna. O parâmetro results é o número de valores da pilha que são passados como resultados para lua_resume.

3.8 - A Interface de Depuração

Lua não possui mecanismos de depuração pré-definidos. Ao invés disto, ela oferece uma interface especial por meio de funções e ganchos. Esta interface permite a construção de diferentes tipos de depuradores, medidores e outras ferramentas que necessitam de "informação interna" do interpretador.


lua_Debug

typedef struct lua_Debug {
  int event;
  const char *name;           /* (n) */
  const char *namewhat;       /* (n) */
  const char *what;           /* (S) */
  const char *source;         /* (S) */
  int currentline;            /* (l) */
  int nups;                   /* (u) número de upvalues */
  int linedefined;            /* (S) */
  int lastlinedefined;        /* (S) */
  char short_src[LUA_IDSIZE]; /* (S) */
  /* parte privada */
  outros campos
} lua_Debug;

Uma estrutura usada para guardar diferentes pedaços de informação sobre uma função ativa. lua_getstack preenche somente a parte privada desta estrutura, para uso posterior. Para preencher os outros campos de lua_Debug com informação útil, chame lua_getinfo.

Os campos de lua_Debug possuem o seguinte significado:


lua_gethook

[-0, +0, -]

lua_Hook lua_gethook (lua_State *L);

Retorna a função de gancho atual.


lua_gethookcount

[-0, +0, -]

int lua_gethookcount (lua_State *L);

Retorna a contagem de gancho atual.


lua_gethookmask

[-0, +0, -]

int lua_gethookmask (lua_State *L);

Retorna a máscara de gancho atual.


lua_getinfo

[-(0|1), +(0|1|2), m]

int lua_getinfo (lua_State *L, const char *what, lua_Debug *ar);

Retorna informação sobre uma função específica ou uma invocação de função específica.

Para obter informação sobre uma invocação de função, o parâmetro ar deve ser um registro de ativação válido que foi preenchido por uma chamada anterior a lua_getstack ou foi fornecido como argumento para um gancho (ver lua_Hook).

Para obter informação sobre uma função você deve colocá-la na pilha e iniciar a cadeia what com o caractere '>'. (Neste caso, lua_getinfo desempilha a função no topo da pilha.) Por exemplo, para saber em qual linha uma função f foi definida, você pode escrever o seguinte código:

     lua_Debug ar;
     lua_getfield(L, LUA_GLOBALSINDEX, "f");  /* obtém a global 'f' */
     lua_getinfo(L, ">S", &ar);
     printf("%d\n", ar.linedefined);

Cada caractere na cadeia what seleciona alguns campos da estrutura ar para serem preenchidos ou um valor a ser empilhado na pilha:

Esta função retorna 0 em caso de erro (por exemplo, no caso de uma opção inválida em what).


lua_getlocal

[-0, +(0|1), -]

const char *lua_getlocal (lua_State *L, lua_Debug *ar, int n);

Obtém informação sobre uma variável local de um registro de ativação fornecido. O parâmetro ar deve ser um registro de ativação válido que foi preenchido por uma chamada anterior a lua_getstack ou foi fornecido como um argumento para um gancho (ver lua_Hook). O índice n seleciona qual variável local inspecionar (1 é o primeiro parâmetro ou variável local ativa e assim por diante, até a última variável local ativa). lua_getlocal coloca o valor da variável na pilha e retorna o nome dela.

Nomes de variáveis começando com '(' (abre parênteses) representam variáveis internas (variáveis de controle de laços, temporários e funções C locais.).

Retorna NULL (e não empilha nada) quando o índice é maior do que o número de variáveis locais ativas.


lua_getstack

[-0, +0, -]

int lua_getstack (lua_State *L, int level, lua_Debug *ar);

Obtém informação sobre a pilha de tempo de execução do interpretador.

Esta função preenche partes de uma estrutura lua_Debug com uma identificação do registro de ativação da função executando em um dado nível. O nível 0 é a função executando atualmente, ao passo que o nível n+1 é a função que chamou o nível n. Quando não há erros, lua_getstack retorna 1; quando chamada com um nível maior do que a profundidade da pilha, a função retorna 0.


lua_getupvalue

[-0, +(0|1), -]

const char *lua_getupvalue (lua_State *L, int funcindex, int n);

Obtém informação sobre um upvalue de um fecho. (Para funções Lua, upvalues são variáveis locais externas que a função usa e que são conceitualmente incluídas no fecho dela.) lua_getupvalue obtém o índice n de um upvalue, coloca o valor do upvalue na pilha e retorna o nome dele. funcindex aponta para o fecho na pilha. (Upvalues não possuem uma ordem específica, uma vez que eles são ativos ao longo de toda a função. Então, eles são numerados em uma ordem arbitrária.)

Retorna NULL (e não empilha nada) quando o índice é maior do que o número de upvalues. Para funções C, esta função usa a cadeia vazia "" como um nome para todos os upvalues.


lua_Hook

typedef void (*lua_Hook) (lua_State *L, lua_Debug *ar);

O tipo para funções de gancho de depuração.

Sempre que um gancho é chamado, atribui-se ao campo event de seu argumento ar o evento específico que disparou o gancho. Lua identifica estes eventos com a seguintes constantes: LUA_HOOKCALL, LUA_HOOKRET, LUA_HOOKTAILRET, LUA_HOOKLINE e LUA_HOOKCOUNT. Além disso, para eventos de linha, o campo currentline também é atribuído. Para obter o valor de qualquer campo em ar, o gancho deve chamar lua_getinfo. Para eventos de retorno, event pode ser LUA_HOOKRET, o valor normal, ou LUA_HOOKTAILRET. No último caso, Lua está simulando um retorno de uma função que fez uma recursão final; neste caso, é inútil chamar lua_getinfo.

Enquanto Lua está executando um gancho, ela desabilita outras chamadas a ganchos. Portanto, se um gancho chama Lua de volta para executar uma função ou um trecho, esta execução ocorre sem quaisquer chamadas a ganchos.


lua_sethook

[-0, +0, -]

int lua_sethook (lua_State *L, lua_Hook f, int mask, int count);

Estabelece a função de gancho de depuração.

O argumento f é uma função de gancho. mask especifica sobre quais eventos o gancho será chamado: ele é formado por uma conjunção bit-a-bit das constantes LUA_MASKCALL, LUA_MASKRET, LUA_MASKLINE e LUA_MASKCOUNT. O argumento count somente possui significado quando a máscara inclui LUA_MASKCOUNT. Para cada evento, o gancho é chamado como explicado abaixo:

Um gancho é desabilitado atribuindo-se zero a mask.


lua_setlocal

[-(0|1), +0, -]

const char *lua_setlocal (lua_State *L, lua_Debug *ar, int n);

Estabelece o valor de uma variável local de um registro de ativação fornecido. Os parâmetros ar e n são como em lua_getlocal (ver lua_getlocal). lua_setlocal atribui o valor no topo da pilha à variável e retorna o nome dela. A função também desempilha o valor da pilha.

Retorna NULL (e não desempilha nada) quando o índice é maior do que o número de variáveis locais ativas.


lua_setupvalue

[-(0|1), +0, -]

const char *lua_setupvalue (lua_State *L, int funcindex, int n);

Estabelece o valor de um upvalue de um fecho. A função atribui o valor no topo da pilha ao upvalue e retorna o nome dele. Ela também desempilha o valor da pilha. Os parâmetros funcindex e n são como na função lua_getupvalue (ver lua_getupvalue).

Retorna NULL (e não desempilha nada) quando o índice é maior do que o número de upvalues.

4 - A Biblioteca Auxiliar

A biblioteca auxiliar fornece várias funções convenientes para a interface de C com Lua. Enquanto a API básica fornece as funções primitivas para todas as interações entre C e Lua, a biblioteca auxiliar fornece funções de mais alto nível para algumas tarefas comuns.

Todas as funções da biblioteca auxiliar são definidas no arquivo de cabeçalho lauxlib.h e possuem um prefixo luaL_.

Todas as funções na biblioteca auxiliar são construídas sobre a API básica e portanto elas não oferecem nada que não possa ser feito com a API básica.

Várias funções na biblioteca auxiliar são usadas para verificar argumentos de funções C. O nome delas sempre é luaL_check* ou luaL_opt*. Todas essas funções disparam um erro se a verificação não é satisfeita. Visto que a mensagem de erro é formatada para argumentos (e.g., "bad argument #1"), você não deve usar estas funções para outros valores da pilha.

4.1 - Funções e Tipos

Listamos aqui todas as funções e tipos da biblioteca auxiliar em ordem alfabética.


luaL_addchar

[-0, +0, m]

void luaL_addchar (luaL_Buffer *B, char c);

Adiciona o caractere c ao buffer B (ver luaL_Buffer).


luaL_addlstring

[-0, +0, m]

void luaL_addlstring (luaL_Buffer *B, const char *s, size_t l);

Adiciona a cadeia de caracteres apontada por s com comprimento l ao buffer B (ver luaL_Buffer). A cadeia pode conter zeros dentro dela.


luaL_addsize

[-0, +0, m]

void luaL_addsize (luaL_Buffer *B, size_t n);

Adiciona ao buffer B (ver luaL_Buffer) uma cadeia de comprimento n copiada anteriormente para a área de buffer (ver luaL_prepbuffer).


luaL_addstring

[-0, +0, m]

void luaL_addstring (luaL_Buffer *B, const char *s);

Adiciona a cadeia terminada por 0 apontada por s ao buffer B (ver luaL_Buffer). A cadeia não pode conter zeros dentro dela.


luaL_addvalue

[-1, +0, m]

void luaL_addvalue (luaL_Buffer *B);

Adiciona o valor no topo da pilha ao buffer B (ver luaL_Buffer). Desempilha o valor.

Esta é a única função sobre buffers de cadeias que pode (e deve) ser chamada com um elemento extra na pilha, que é o valor a ser adicionado ao buffer.


luaL_argcheck

[-0, +0, v]

void luaL_argcheck (lua_State *L,
                    int cond,
                    int narg,
                    const char *extramsg);

Verifica se cond é verdadeira. Se não, dispara um erro com a seguinte mensagem, onde func é recuperada a partir da pilha de chamada:

     bad argument #<narg> to <func> (<extramsg>)

luaL_argerror

[-0, +0, v]

int luaL_argerror (lua_State *L, int narg, const char *extramsg);

Dispara um erro com a seguinte mensagem, onde func é recuperada a partir da pilha de chamada:

     bad argument #<narg> to <func> (<extramsg>)

Esta função nunca retorna, mas é idiomático usá-la em funções C como return luaL_argerror(args).


luaL_Buffer

typedef struct luaL_Buffer luaL_Buffer;

O tipo para um buffer de cadeia de caracteres.

Um buffer de cadeia permite código C construir cadeias Lua pouco a pouco. O seu padrão de uso é como a seguir:

Durante essa operação normal, um buffer de cadeia usa um número variável de posições da pilha. Então, quando você está usando um buffer, você não deve assumir que sabe onde o topo da pilha está. Você pode usar a pilha entre chamadas sucessivas às operações de buffer desde que este uso seja balanceado; isto é, quando você chama uma operação de buffer, a pilha está no mesmo nível em que ela estava imediatamente após a operação de buffer anterior. (A única exceção a esta regra é luaL_addvalue.) Após chamar luaL_pushresult a pilha está de volta ao seu nível quando o buffer foi inicializado, mais a cadeia final no seu topo.


luaL_buffinit

[-0, +0, e]

void luaL_buffinit (lua_State *L, luaL_Buffer *B);

Inicializa um buffer B. Esta função não aloca qualquer espaço; o buffer deve ser declarado como uma variável (ver luaL_Buffer).


luaL_callmeta

[-0, +(0|1), e]

int luaL_callmeta (lua_State *L, int obj, const char *e);

Chama um metamétodo.

Se o objeto no índice obj possui uma metatabela e esta metatabela possui um campo e, esta função chama esse campo e passa o objeto como seu único argumento. Neste caso esta função retorna 1 e coloca na pilha o valor retornado pela chamada. Se não há metatabela ou metamétodo, esta função retorna 0 (sem empilhar qualquer valor na pilha).


luaL_checkany

[-0, +0, v]

void luaL_checkany (lua_State *L, int narg);

Verifica se a função tem um argumento de qualquer tipo (incluindo nil) na posição narg.


luaL_checkint

[-0, +0, v]

int luaL_checkint (lua_State *L, int narg);

Verifica se o argumento narg da função é um número e retorna este número convertido para um int.


luaL_checkinteger

[-0, +0, v]

lua_Integer luaL_checkinteger (lua_State *L, int narg);

Verifica se o argumento narg da função é um número e retorna este número convertido para um lua_Integer.


luaL_checklong

[-0, +0, v]

long luaL_checklong (lua_State *L, int narg);

Verifica se o argumento narg da função é um número e retorna este número convertido para um long.


luaL_checklstring

[-0, +0, v]

const char *luaL_checklstring (lua_State *L, int narg, size_t *l);

Verifica se o argumento narg da função é uma cadeia e retorna esta cadeia; se l não é NULL preenche *l com o comprimento da cadeia.

Esta função usa lua_tolstring para obter seu resultado, de modo que todas as conversões e advertências relacionadas a lua_tolstring se aplicam aqui também.


luaL_checknumber

[-0, +0, v]

lua_Number luaL_checknumber (lua_State *L, int narg);

Verifica se o argumento narg da função é um número e retorna este número.


luaL_checkoption

[-0, +0, v]

int luaL_checkoption (lua_State *L,
                      int narg,
                      const char *def,
                      const char *const lst[]);

Verifica se o argumento narg da função é uma cadeia e procura por esta cadeia no array lst (o qual deve ser terminado por NULL). Retorna o índice no array onde a cadeia foi encontrada. Dispara um erro se o argumento não é uma cadeia ou se a cadeia não pôde ser encontrada.

Se def não é NULL, a função usa def como um valor padrão quando não há argumento narg ou se este argumento é nil.

Esta é uma função útil para mapear cadeias para enumerações de C. (A convenção usual em bibliotecas Lua é usar cadeias ao invés de números para selecionar opções.)


luaL_checkstack

[-0, +0, v]

void luaL_checkstack (lua_State *L, int sz, const char *msg);

Aumenta o tamanho da pilha para top + sz elementos, disparando um erro se a pilha não pode ser aumentada para aquele tamanho. msg é um texto adicional a ser colocado na mensagem de erro.


luaL_checkstring

[-0, +0, v]

const char *luaL_checkstring (lua_State *L, int narg);

Verifica se o argumento narg da função é uma cadeia e retorna esta cadeia.

Esta função usa lua_tolstring para obter seu resultado, de modo que todas as conversões e advertências relacionadas a lua_tolstring se aplicam aqui também.


luaL_checktype

[-0, +0, v]

void luaL_checktype (lua_State *L, int narg, int t);

Verifica se o argumento narg da função tem tipo t. Veja lua_type para a codificação de tipos para t.


luaL_checkudata

[-0, +0, v]

void *luaL_checkudata (lua_State *L, int narg, const char *tname);

Verifica se o argumento narg da função é um objeto userdata do tipo tname (ver luaL_newmetatable).


luaL_dofile

[-0, +?, m]

int luaL_dofile (lua_State *L, const char *filename);

Carrega e executa o arquivo fornecido. É definida como a seguinte macro:

     (luaL_loadfile(L, filename) || lua_pcall(L, 0, LUA_MULTRET, 0))

A função retorna 0 se não há erros ou 1 em caso de erros.


luaL_dostring

[-0, +?, m]

int luaL_dostring (lua_State *L, const char *str);

Carrega e executa a cadeia fornecida. É definida como a seguinte macro:

     (luaL_loadstring(L, str) || lua_pcall(L, 0, LUA_MULTRET, 0))

A função retorna 0 se não há erros ou 1 em caso de erros.


luaL_error

[-0, +0, v]

int luaL_error (lua_State *L, const char *fmt, ...);

Dispara um erro. O formato da mensagem de erro é dado por fmt mais quaisquer argumentos extras, seguindo as mesmas regras de lua_pushfstring. Também adiciona no início da mensagem o nome do arquivo e o número da linha onde o erro ocorreu, caso esta informação esteja disponível.

Esta função nunca retorna, mas é idiomático usá-la em funções C como return luaL_error(args).


luaL_getmetafield

[-0, +(0|1), m]

int luaL_getmetafield (lua_State *L, int obj, const char *e);

Coloca na pilha o campo e da metatabela do objeto no índice obj. Se o objeto não possui uma metatabela ou se a metatabela não possui este campo, retorna 0 e não empilha nada.


luaL_getmetatable

[-0, +1, -]

void luaL_getmetatable (lua_State *L, const char *tname);

Coloca na pilha a metatabela associada com o nome tname no registro (ver luaL_newmetatable).


luaL_gsub

[-0, +1, m]

const char *luaL_gsub (lua_State *L,
                       const char *s,
                       const char *p,
                       const char *r);

Cria uma cópia da cadeia s substituindo qualquer ocorrência da cadeia p pela cadeia r. Coloca a cadeia resultante na pilha e a retorna.


luaL_loadbuffer

[-0, +1, m]

int luaL_loadbuffer (lua_State *L,
                     const char *buff,
                     size_t sz,
                     const char *name);

Carrega um buffer como um trecho de código Lua. Esta função usa lua_load para carregar o trecho no buffer apontado por buff com tamanho sz.

Esta função retorna os mesmos resultados de lua_load. name é o nome do trecho, usado para informações de depuração e mensagens de erro.


luaL_loadfile

[-0, +1, m]

int luaL_loadfile (lua_State *L, const char *filename);

Carrega um arquivo como um trecho de código Lua. Esta função usa lua_load para carregar o trecho no arquivo chamado filename. Se filename é NULL, então ela carrega a partir da entrada padrão. A primeira linha no arquivo é ignorada se ela começa com #.

Esta função retorna os mesmos resultados de lua_load, mas ela possui um código de erro extra LUA_ERRFILE se ela não pode abrir/ler o arquivo.

Da mesma forma que lua_load, esta função somente carrega o trecho; ela não o executa.


luaL_loadstring

[-0, +1, m]

int luaL_loadstring (lua_State *L, const char *s);

Carrega uma cadeia como um trecho de código Lua. Esta função usa lua_load para carregar o trecho na cadeia (terminada por zero) s.

Esta função retorna os mesmos resultados de lua_load.

Assim como lua_load, esta função somente carrega o trecho; ela não o executa.


luaL_newmetatable

[-0, +1, m]

int luaL_newmetatable (lua_State *L, const char *tname);

Se o registro já possui a chave tname, retorna 0. Caso contrário, cria uma nova tabela para ser usada como uma metatabela para o objeto userdata, adiciona esta tabela ao registro com chave tname e retorna 1.

Em ambos os casos coloca na pilha o valor final associado com tname no registro.


luaL_newstate

[-0, +0, -]

lua_State *luaL_newstate (void);

Cria um novo estado Lua. Chama lua_newstate com uma função de alocação baseada na função padrão de C realloc e então estabelece uma função de pânico (ver lua_atpanic) que imprime uma mensagem de erro para a saída de erro padrão em caso de erros fatais.

Retorna o novo estado ou NULL se ocorreu um erro de alocação de memória.


luaL_openlibs

[-0, +0, m]

void luaL_openlibs (lua_State *L);

Abre todas as bibliotecas padrões no estado fornecido.


luaL_optint

[-0, +0, v]

int luaL_optint (lua_State *L, int narg, int d);

Se o argumento narg da função é um número, retorna este número convertido para um int. Se este argumento está ausente ou se ele é nil, retorna d. Caso contrário, dispara um erro.


luaL_optinteger

[-0, +0, v]

lua_Integer luaL_optinteger (lua_State *L,
                             int narg,
                             lua_Integer d);

Se o argumento narg da função é um número, retorna este número convertido para um lua_Integer. Se este argumento está ausente ou se ele é nil, retorna d. Caso contrário, dispara um erro.


luaL_optlong

[-0, +0, v]

long luaL_optlong (lua_State *L, int narg, long d);

Se o argumento narg da função é um número, retorna este número convertido para um long. Se este argumento está ausente ou se ele é nil, retorna d. Caso contrário, dispara um erro.


luaL_optlstring

[-0, +0, v]

const char *luaL_optlstring (lua_State *L,
                             int narg,
                             const char *d,
                             size_t *l);

Se o argumento narg da função é uma cadeia, retorna esta cadeia. Se este argumento está ausente ou se ele nil, retorna d. Caso contrário, dispara um erro.

Se l não é NULL, preenche a posição *l com o comprimento do resultado.


luaL_optnumber

[-0, +0, v]

lua_Number luaL_optnumber (lua_State *L, int narg, lua_Number d);

Se o argumento narg da função é um número, retorna este número. Se este argumento está ausente ou se ele é nil, retorna d. Caso contrário, dispara um erro.


luaL_optstring

[-0, +0, v]

const char *luaL_optstring (lua_State *L,
                            int narg,
                            const char *d);

Se o argumento narg da função é uma cadeia, retorna esta cadeia. Se este argumento está ausente ou se ele é nil, retorna d. Caso contrário, dispara um erro.


luaL_prepbuffer

[-0, +0, -]

char *luaL_prepbuffer (luaL_Buffer *B);

Retorna um endereço para um espaço de tamanho LUAL_BUFFERSIZE onde você pode copiar uma cadeia para ser adicionada ao buffer B (ver luaL_Buffer). Após copiar a cadeia para este espaço você deve chamar luaL_addsize com o tamanho da cadeia para adicioná-la realmente ao buffer.


luaL_pushresult

[-?, +1, m]

void luaL_pushresult (luaL_Buffer *B);

Finaliza o uso do buffer B deixando a cadeia final no topo da pilha.


luaL_ref

[-1, +0, m]

int luaL_ref (lua_State *L, int t);

Cria e retorna uma referência, na tabela no índice t, para o objeto no topo da pilha (e desempilha o objeto).

Uma referência é uma chave inteira única. Desde que você não adicione manualmente chaves inteiras na tabela t, luaL_ref garante a unicidade da chave que ela retorna. Você pode recuperar um objeto referenciado pelo referência r chamando lua_rawgeti(L, t, r). A função luaL_unref libera uma referência e o objeto associado a ela.

Se o objeto no topo da pilha é nil, luaL_ref retorna a constante LUA_REFNIL. A constante LUA_NOREF é garantidamente diferente de qualquer referência retornada por luaL_ref.


luaL_Reg

typedef struct luaL_Reg {
  const char *name;
  lua_CFunction func;
} luaL_Reg;

O tipo para arrays de funções a serem registrados por luaL_register. name é o nome da função e func é um ponteiro para a função. Qualquer array de luaL_Reg deve terminar com uma entrada sentinela na qual tanto name como func são NULL.


luaL_register

[-(0|1), +1, m]

void luaL_register (lua_State *L,
                    const char *libname,
                    const luaL_Reg *l);

Abre uma biblioteca.

Quando chamada com libname igual a NULL, simplesmente registra todas as funções na lista l (ver luaL_Reg) na tabela no topo da pilha.

Quando chamada com um valor de libname diferente de NULL, luaL_register cria uma nova tabela t, estabelece ela como o valor da variável global libname, estabelece ela como o valor de package.loaded[libname] e registra nela todas as funções na lista l. Se existe uma tabela em package.loaded[libname] ou na variável libname, a função reusa esta tabela ao invés de criar uma nova.

Em qualquer caso a função deixa a tabela no topo da pilha.


luaL_typename

[-0, +0, -]

const char *luaL_typename (lua_State *L, int index);

Retorna o nome do tipo do valor no índice fornecido.


luaL_typerror

[-0, +0, v]

int luaL_typerror (lua_State *L, int narg, const char *tname);

Gera um erro com uma mensagem como a seguinte:

     location: bad argument narg to 'func' (tname expected, got rt)

onde location é produzida por luaL_where, func é o nome da função corrente e rt é o nome do tipo do argumento.


luaL_unref

[-0, +0, -]

void luaL_unref (lua_State *L, int t, int ref);

Libera a referência ref da tabela no índice t (ver luaL_ref). A entrada é removida da tabela, de modo que o objeto referenciado pode ser coletado. A referência ref também é liberada para ser usada novamente.

Se ref é LUA_NOREF ou LUA_REFNIL, luaL_unref não faz nada.


luaL_where

[-0, +1, m]

void luaL_where (lua_State *L, int lvl);

Coloca na pilha uma cadeia identificando a posição atual do controle no nível lvl na pilha de chamada. Tipicamente esta cadeia possui o seguinte formato:

     chunkname:currentline:

Nível 0 é a função executando correntemente, nível 1 é a função que chamou a função que está executando atualmente, etc.

Esta função é usada para construir um prefixo para mensagens de erro.

5 - Bibliotecas Padrão

As bibliotecas padrão de Lua oferecem funções úteis que são implementadas diretamente através da API C. Algumas dessas funções oferecem serviços essenciais para a linguagem (e.g., type e getmetatable); outras oferecem acesso a serviços "externos" (e.g., E/S); e outras poderiam ser implementadas em Lua mesmo, mas são bastante úteis ou possuem requisitos de desemepenho críticos que merecem uma implementação em C (e.g., table.sort).

Todas as bibliotecas são implementadas atráves da API C oficial e são fornecidas como módulos C separados. Correntemente, Lua possui as seguintes bibliotecas padrão:

Excetuando-se a biblioteca básica e a biblioteca de pacotes, cada biblioteca provê todas as suas funções como campos de uma tabela global ou como métodos de seus objetos.

Para ter acesso a essas bibliotecas, o programa hospedeiro C deve chamar a função luaL_openlibs, que abre todas as bibliotecas padrão. De modo alternativo, é possível abri-las individualmente chamando luaopen_base (para a biblioteca básica), luaopen_package (para a biblioteca de pacotes), luaopen_string (para a biblioteca de cadeias de caracteres), luaopen_table (para a biblioteca de tabelas), luaopen_math (para a biblioteca matemática), luaopen_io (para a biblioteca de E/S), luaopen_os (para a biblioteca do Sistema Operacional), e luaopen_debug (para a biblioteca de depuração). Essas funções estão declaradas em lualib.h e não devem ser chamadas diretamente: você deve chamá-las como qualquer outra função C de Lua, e.g., usando lua_call.

5.1 - Funções Básicas

A biblioteca de funções básicas oferece algumas funções essenciais a Lua. Se você não incluir esta biblioteca em sua aplicação, você deve verificar cuidadosamente se necessita fornecer implementações para algumas de suas facilidades.


assert (v [, message])

Produz um erro quando o valor de seu argumento v é falso (i.e., nil ou false); caso contrário, retorna todos os seus argumentos. message é uma mensagem de erro; quando ausente, a mensagem padrão é "assertion failed!"


collectgarbage (opt [, arg])

Esta função é uma interface genérica para o coletor de lixo. Ela realiza diferentes funções de acordo com o seu primeiro argumento, opt:


dofile (filename)

Abre o arquivo indicado e executa o seu conteúdo como um trecho de código Lua. Quando chamada sem argumentos, dofile executa o conteúdo da entrada padrão (stdin). Retorna todos os valores retornados pelo trecho. Em caso de erros, dofile propaga o erro para o seu chamador (isto é, dofile não executa em modo protegido).


error (message [, level])

Termina a última função protegida chamada e retorna message como a mensagem de erro. A função error nunca retorna.

Geralmente, error adiciona alguma informação sobre a posição do erro no início da mensagem. O argumento level especifica como obter a posição do erro. Quando ele é igual a 1 (o padrão), a posição do erro é onde a função error foi chamada. Quando ele é 2, a posição do erro é onde a função que chamou error foi chamada; e assim por diante. Passando um valor 0 para level evita a adição de informação da posição do erro à mensagem.


_G

Uma variável global (não uma função) que armazena o ambiente global (isto é, _G._G = _G). Lua por si só não usa esta variável; uma modificação do seu valor não afeta qualquer ambiente e vice-versa. (Use setfenv para mudar ambientes.)


getfenv ([f])

Retorna o ambiente que está sendo usado correntemente pela função. f pode ser uma função Lua ou um número que especifica a função naquele nível de pilha: a função que chamou getfenv possui nível 1. Se a função fornecida não é uma função Lua ou se f é 0, getfenv retorna o ambiente global. O valor padrão para f é 1.


getmetatable (object)

Se object não possui uma metatabela, retorna nil. Caso contrário, se a metatabela do objeto possui um campo "__metatable", retorna o valor associado. Caso contrário, retorna a metatabela do objeto fornecido.


ipairs (t)

Retorna três valores: uma função iteradora, a tabela t e 0, de modo que a construção

     for i,v in ipairs(t) do corpo end

irá iterar sobre os pares (1,t[1]), (2,t[2]), ···, até a primeira chave inteira ausente da tabela.


load (func [, chunkname])

Carrega um trecho usando a função func para obter seus pedaços. Cada chamada a func deve retornar uma cadeia de caracteres que concatena com resultados anteriores. Quando func retorna uma cadeia vazia, nil ou quando não retorna nenhum valor, isso indica o fim do trecho.

Se não ocorrerem erros, retorna o trecho compilado como uma função; caso contrário, retorna nil mais a mensagem de erro. O ambiente da função retornada é o ambiente global.

chunkname é usado como o nome do trecho para mensagens de erro e informação de depuração. Quando ausente, o valor padrão é "=(load)".


loadfile ([filename])

Similar a load, mas obtém o trecho do arquivo filename ou da entrada padrão, se nenhum nome de arquivo é fornecido.


loadstring (string [, chunkname])

Similar a load, mas obtém o trecho da cadeia fornecida.

Para carregar e rodar uma dada cadeia, use a expressão idiomática

     assert(loadstring(s))()

Quando ausente, o valor padrão para chunkname é a cadeia fornecida.


next (table [, index])

Permite a um programa pecorrer todos os campos de uma tabela. Seu primeiro argumento é uma tabela e seu segundo argumento é um índice nesta tabela. next retorna o próximo índice da tabela e seu valor associado. Quando chamada com nil como seu segundo argumento, next retorna um índice inicial e seu valor associado. Quando chamada com o último índice ou com nil em uma tabela vazia, next retorna nil. Se o segundo argumento está ausente, então ele é interpretado como nil. Em particular, você pode usar next(t) para verificar se a tabela está vazia.

A ordem na qual os índices são enumerados não é especificada, até mesmo para índices numéricos. (Para percorrer uma tabela em ordem numérica, use o for numérico ou a função ipairs.).

O comportamento de next é indefinido se, durante o percorrimento, você atribuir qualquer valor a um campo não existente na tabela. Você pode contudo modificar campos existentes. Em particular, você pode limpar campos existentes.


pairs (t)

Retorna três valores: a função next, a tabela t e nil, de modo que a construção

     for k,v in pairs(t) do corpo end

irá iterar sobre todos os pares chave–valor da tabela t.

Veja a função next para os cuidados que se deve ter ao modificar a tabela durante o seu percorrimento.


pcall (f, arg1, ···)

Chama a função f com os argumentos fornecidos em modo protegido. Isto significa que qualquer erro dentro de f não é propagado; ao invés disso, pcall captura o erro e retorna um código indicando o status. Seu primeiro resultado é o código de status (um booleano), que é verdadeiro se a chamada aconteceu sem erros. Neste caso, pcall também retorna todos os resultados da chamada, depois deste primeiro resultado. No caso de acontecer um erro, pcall retorna false mais a mensagem de erro.


print (···)

Recebe qualquer número de argumentos e imprime os seus valores para stdout, usando a função tostring para convertê-los para cadeias de caracteres. print não é projetada para saída formatada, mas somente como uma maneira rápida de mostrar um valor, tipicamente para depuração. Para saída formatada, use string.format.


rawequal (v1, v2)

Verifica se v1 é igual a v2, sem invocar nenhum metamétodo. Retorna um booleano.


rawget (table, index)

Obtém o valor real de table[index], sem invocar nenhum metamétodo. table deve ser uma tabela; index pode ser qualquer valor.


rawset (table, index, value)

Atribui value como o valor real de table[index], sem invocar nenhum metamétodo. table deve ser uma tabela, index pode ser qualquer valor diferente de nil e value pode ser qualquer valor Lua.

Essa função retorna table.


select (index, ···)

Se index é um número, retorna todos os argumentos após o argumento número index. Caso contrário, index deve ser a cadeia "#" e select retorna o número total de argumentos extras recebidos.


setfenv (f, table)

Estabelece o ambiente a ser usado pela função fornecida. f pode ser uma função Lua ou um número que especifica a função naquele nível de pilha: a função chamando setfenv possui nível 1. setfenv retorna a função fornecida.

Como um caso especial, quando f é 0 setfenv muda o ambiente do fluxo de execução corrente. Neste caso, setfenv não retorna nenhum valor.


setmetatable (table, metatable)

Estabelece a metatabela para a tabela fornecida. (Você não pode mudar a metatabela de outros tipos a partir de Lua, somente a partir de C.) Se metatable é nil, remove a metatabela da tabela fornecida. Se a metatabela original tem um campo "__metatable", dispara um erro.

Essa função retorna table.


tonumber (e [, base])

Tenta converter seu argumento para um número. Se o argumento já é um número ou uma cadeia de caracteres que pode ser convertida para um número, então tonumber retorna este número; caso contrário, retorna nil.

Um argumento opcional especifica a base para interpretar o numeral. A base pode ser qualquer inteiro entre 2 e 36, inclusive. Em bases acima de 10, a letra 'A' (maiúscula ou minúscula) representa 10, 'B' representa 11 e assim por diante, com 'Z' representando 35. Na base 10 (o padrão), o número pode ter uma parte decimal, bem como uma parte expoente opcional (ver §2.1). Em outras bases, somente inteiros sem sinal são aceitos.


tostring (e)

Recebe um argumento de qualquer tipo e o converte para uma cadeia de caracteres em um formato razoável. Para um controle completo de como números são convertidos, use string.format.

Se a metatabela de e possui um campo "__tostring", então tostring chama o valor correspondente com e como argumento e usa o resultado da chamada como o seu resultado.


type (v)

Retorna o tipo de seu único argumento, codificado como uma cadeia de caracteres. Os resultados possíveis desta função são "nil" (uma cadeia de caracteres, não o valor nil), "number", "string", "boolean", "table", "function", "thread" e "userdata".


unpack (list [, i [, j]])

Retorna os elementos da tabela fornecida. Esta função é equivalente a
     return list[i], list[i+1], ···, list[j]

exceto que o código acima pode ser escrito somente para um número fixo de elementos. Por padrão, i é 1 e j é o comprimento da lista, como definido pelo operador de comprimento (ver §2.5.5).


_VERSION

Uma variável global (não uma função) que armazena uma cadeia contendo a versão corrente do interpretador. O conteúdo corrente desta variável é "Lua 5.1".


xpcall (f, err)

Esta função é similar a pcall, exceto que você pode estabelecer um novo tratador de erros.

xpcall chama a função f em modo protegido, usando err como um tratador de erros. Qualquer erro dentro de f não é propagado; ao invés disso, xpcall captura o erro, chama a função err com o objeto de erro original e retorna um código indicando um status. Seu primeiro resultado é o código de status (um booleano), que é verdadeiro se a chamada ocorreu sem erros. Neste caso, xpcall também retorna todos os resultados da chamada, depois deste primeiro resultado. Em caso de erro, xpcall retorna false mais o resultado de err.

5.2 - Manipulação de Co-rotinas

As operações relacionadas a co-rotinas constituem uma sub-biblioteca da biblioteca básica e estão dentro da tabela coroutine. Veja §2.11 para uma descrição geral de co-rotinas.


coroutine.create (f)

Cria uma nova co-rotina, com corpo f. f deve ser uma função Lua. Retorna esta nova co-rotina, um objeto com tipo "thread".


coroutine.resume (co [, val1, ···])

Inicia ou continua a execução da co-rotina co. Na primeira vez que você "continua" uma co-rotina, ela começa executando o seu corpo. Os valores val1, ··· são passados como os argumentos para o corpo da função. Se a co-rotina já cedeu a execução antes, resume a continua; os valores val1, ··· são passados como os resultados da cessão.

Se a co-rotina executa sem nenhum erro, resume retorna true mais quaisquer valores passados para yield (se a co-rotina cede) ou quaisquer valores retornados pelo corpo da função (se a co-rotina termina). Se há qualquer erro, resume retorna false mais a mensagem de erro.


coroutine.running ()

Retorna a co-rotina sendo executada ou nil quando chamada pelo fluxo de execução principal.


coroutine.status (co)

Retorna o status da co-rotina co, como uma cadeia de caracteres: "running", se a co-rotina está executando (isto é, ela chamou status); "suspended", se a co-rotina está suspensa em uma chamada a yield ou se ela não começou a sua execução ainda; "normal" se a co-rotina está ativa mas não está executando (isto é, ela continuou outra co-rotina); e "dead" se a co-rotina terminou sua função principal ou se ela parou com um erro.


coroutine.wrap (f)

Cria uma nova co-rotina, com corpo f. f deve ser uma função Lua. Retorna uma função que recomeça a co-rotina cada vez que é chamada. Quaisquer argumentos passados para a função comportam-se como os argumentos extras para resume. Retorna os mesmos valores retornados por resume, exceto o primeiro booleano. Em caso de erro, propaga o erro.


coroutine.yield (···)

Suspende a execução da co-rotina chamadora. A co-rotina não pode estar executando uma função C, um metamétodo ou um iterador. Quaisquer argumentos para yield são passados como resultados extras para resume.

5.3 - Módulos

A biblioteca de pacotes provê facilidades básicas para carregar e construir módulos em Lua. Ela exporta duas de suas funções diretamente no ambiente global: require e module. Todas as outras funções são exportadas em uma tabela package.


module (name [, ···])

Cria um módulo. Se há uma tabela em package.loaded[name], esta tabela é o módulo. Caso contrário, se existe uma tabela global t com o nome fornecido, esta tabela é o módulo. Caso contrário cria uma nova tabela t e a estabelece como o valor da global name e o valor de package.loaded[name]. Esta função também inicializa t._NAME com o nome fornecido, t._M com o módulo (o próprio t) e t._PACKAGE com o nome do pacote (o nome do módulo completo menos o último componente; veja abaixo). Finalmente, module estabelece t como o novo ambiente da função corrente e o novo valor de package.loaded[name], de modo que require retorna t.

Se name é um nome composto (isto é, um nome com componentes separados por pontos), module cria (ou reusa, se elas já existem) tabelas para cada componente. Por exemplo, se name é a.b.c, então module armazena a tabela do módulo no campo c do campo b da global a.

Esta função pode receber algumas opções depois do nome do módulo, onde cada opção é uma função a ser aplicada sobre o módulo.


require (modname)

Carrega o módulo fornecido. Esta função começa procurando na tabela package.loaded para determinar se modname já foi carregado. Em caso afirmativo, require retorna o valor armazenado em package.loaded[modname]. Caso contrário, ela tenta achar um carregador para o módulo.

Para encontrar um carregador, require é guiada pelo array package.loaders. Modificando este array, podemos mudar como require procura por um módulo. A seguinte explicação é baseada na configuração padrão para package.loaders.

Primeiro require consulta package.preload[modname]. Se existe um valor nesse campo, este valor (que deve ser uma função) é o carregador. Caso contrário require busca por um carregador Lua usando o caminho armazenado em package.path. Se isso também falha, ela busca por um carregador C usando o caminho armazenado em package.cpath. Se isso também falha, ela tenta um carregador tudo-em-um (ver package.loaders).

Uma vez que um carregador é encontrado, require chama o carregador com um único argumento, modname. Se o carregador retorna qualquer valor, require atribui o valor retornado a package.loaded[modname]. Se o carregador não retorna nenhum valor e não foi atribuído nenhum valor a package.loaded[modname], então require atribui true a esta posição. Em qualquer caso, require retorna o valor final de package.loaded[modname].

Se ocorre um erro durante o carregamento ou a execução do módulo ou se não é possível encontrar um carregador para o módulo, então require sinaliza um erro.


package.cpath

O caminho usado por require para procurar por um carregador C.

Lua inicializa o caminho C package.cpath da mesma forma que inicializa o caminho Lua package.path, usando a variável de ambiente LUA_CPATH ou um caminho padrão definido em luaconf.h.


package.loaded

Uma tabela usada por require para controlar quais módulos já foram carregados. Quando você requisita um módulo modname e package.loaded[modname] não é falso, require simplesmente retorna o valor armazenado lá.


package.loaders

Uma tabela usada por require para controlar como carregar módulos.

Cada posição nesta tabela é uma função buscadora. Quando está procurando um módulo, require chama cada uma destas funções buscadoras em ordem crescente, com o nome do módulo (o argumento fornecido a require) como seu único parâmetro. A função pode retornar outra função (o carregador do módulo) ou uma cadeia de caracteres explicando porque ela não achou aquele módulo (ou nil se ela não tem nada a dizer). Lua inicializa esta tabela com quatro funções.

A primeira função buscadora simplesmente procurar um carregador no tabela package.preload.

A segunda função buscadora procura um carregador como uma biblioteca Lua, usando o caminho armazenado em package.path. Um caminho é uma seqüência de padrões separados por ponto-e-vírgulas. Para cada padrão, a função buscadora irá mudar cada ponto de interrogação no padrão para filename, que é o nome do módulo com cada ponto substituído por um "separador de diretório" (como "/" no Unix); então ela tentará abrir o nome do arquivo resultante. Por exemplo, se o caminho é a cadeia de caracteres

     "./?.lua;./?.lc;/usr/local/?/init.lua"

a busca por um arquivo Lua para o módulo foo tentará abrir os arquivos ./foo.lua, ./foo.lc e /usr/local/foo/init.lua, nessa ordem.

A terceira função buscadora procura um carregador como uma biblioteca C, usando o caminho fornecido pela variável package.cpath. Por exemplo, se o caminho C é a cadeia

     "./?.so;./?.dll;/usr/local/?/init.so"

a função buscadora para o módulo foo tentará abrir os arquivos ./foo.so, ./foo.dll e /usr/local/foo/init.so, nessa ordem. Uma vez que ela encontra uma biblioteca C, esta função buscadora primeiro usa uma facilidade de ligação dinâmica para ligar a aplicação com a biblioteca. Então ela tenta encontrar uma função C dentro da biblioteca para ser usada como carregador. O nome desta função C é a cadeia "luaopen_" concatenada com uma cópia do nome do módulo onde cada ponto é substituído por um sublinhado. Além disso, se o nome do módulo possui um hífen, seu prefixo até (e incluindo) o primeiro hífen é removido. Por exemplo, se o nome do módulo é a.v1-b.c, o nome da função será luaopen_b_c.

A quarta função buscadora tenta um carregador tudo-em-um. Ela procura no caminho C uma biblioteca para a raiz do nome do módulo fornecido. Por exemplo, quando requisitando a.b.c, ela buscará por uma biblioteca C para a. Se encontrar, ela busca nessa biblioteca por uma função de abertura para o submódulo; no nosso exemplo, seria luaopen_a_b_c. Com esta facilidade, um pacote pode empacotar vários submódulos C dentro de uma única biblioteca, com cada submódulo guardando a sua função de abertura original.


package.loadlib (libname, funcname)

Liga dinamicamente o programa hospedeiro com a biblioteca C libname. Dentro desta biblioteca, procura por uma função funcname e retorna essa função como uma função C. (Desse modo, funcname deve seguir o protocolo (ver lua_CFunction)).

Esta é uma função de baixo nível. Ela contorna completamente o sistema de pacotes e de módulos. Diferentemente de require, ela não realiza qualquer busca de caminho e não adiciona extensões automaticamente. libname deve ser o nome do arquivo completo da biblioteca C, incluindo se necessário um caminho e uma extensão. funcname deve ser o nome exato exportado pela biblioteca C (que pode depender de como o compilador e o ligador C são usados).

Esta função não é provida por ANSI C. Dessa forma, ela está disponível somente em algumas plataformas (Windows, Linux, Mac OS X, Solaris, BSD, mais outros sistemas Unix que dão suporte ao padrão dlfcn).


package.path

O caminho usado por require para buscar um carregador Lua.

Ao iniciar, Lua inicializa esta variável com o valor da variável de ambiente LUA_PATH ou com um caminho padrão definido em luaconf.h, se a variável de ambiente não está definida. Qualquer ";;" no valor da variável de ambiente será substituído pelo caminho padrão.


package.preload

Uma tabela para armazenar carregadores para módulos específicos (ver require).


package.seeall (module)

Estabelece uma metatabela para module com seu campo __index se referindo ao ambiente global, de modo que esse módulo herda valores do ambiente global. Para ser usada como uma opção à função module.

5.4 - Manipulação de Cadeias de Caracteres

Esta biblioteca provê funções genéricas para a manipulação de cadeias de caracteres, tais como encontrar e extrair subcadeias e casamento de padrões. Ao indexar uma cadeia em Lua, o primeiro caractere está na posição 1 (não na posição 0, como em C). Índices podem ter valores negativos e são interpretados como uma indexação de trás para frente, a partir do final da cadeia. Portanto, o último caractere está na posição -1 e assim por diante.

A biblioteca de cadeias provê todas as suas funções dentro da tabela string. Ela também estabelece uma metatabela para cadeias onde o campo __index aponta para a tabela string. Em conseqüência disso, você pode usar as funções de cadeias em um estilo orientado a objetos. Por exemplo, string.byte(s, i) pode ser escrito como s:byte(i).

A biblioteca de manipulação de cadeias assume que cada caracter é codificado usando um byte.


string.byte (s [, i [, j]])

Retorna o código numérico interno dos caracteres s[i], s[i+1], ···, s[j]. O valor padrão para i é 1; o valor padrão para j é i.

Note que códigos numéricos não são necessariamente portáveis entre plataformas.


string.char (···)

Recebe zero ou mais inteiros. Retorna uma cadeia com comprimento igual ao número de argumentos, na qual cada caractere possui um código numérico interno igual ao seu argumento correspondente.

Note que códigos numéricos não são necessariamente portáveis entre plataformas.


string.dump (function)

Retorna uma cadeia contendo a representação binária da função fornecida, de modo que um loadstring posterior nesta cadeia retorna uma cópia da função. function deve ser uma função Lua sem upvalues.


string.find (s, pattern [, init [, plain]])

Procura o primeiro casamento do padrão pattern na cadeia s. Se a função acha um casamento, então find retorna os índices de s onde esta ocorrência começou e terminou; caso contrário, retorna nil. O terceiro argumento, init, é um valor numérico opcional e especifica onde iniciar a busca; seu valor padrão é 1 e pode ser negativo. Um valor true para o quarto argumento, plain, que é opcional, desabilita as facilidades de casamento de padrões, de modo que a função faz uma operação "encontra subcadeia" simples, sem considerar nenhum caractere em pattern como "mágico". Note que se plain é fornecido, então init deve ser fornecido também.

Se o padrão possui capturas, então em um casamento bem-sucedido os valores capturados são também retornados, após os dois índices.


string.format (formatstring, ···)

Retorna a versão formatada de seu número variável de argumentos seguindo a descrição dada no seu primeiro argumento (que deve ser uma cadeia). O formato da cadeia segue as mesmas regras da família printf de funções C padrão. As únicas diferenças são que as opções/modificadores *, l, L, n, p e h não são oferecidas e que há uma opção extra, q. A opção q formata uma cadeia em uma forma adequada para ser lida de volta de forma segura pelo interpretador Lua; a cadeia é escrita entre aspas duplas e todas as aspas duplas, quebras de linha, barras invertidas e zeros dentro da cadeia são corretamente escapados quando escritos. Por exemplo, a chamada
     string.format('%q', 'a string with "quotes" and \n new line')

produzirá a cadeia:

     "a string with \"quotes\" and \
      new line"

As opções c, d, E, e, f, g, G, i, o, u, X e x esperam um número como argumento, enquanto que q e s esperam uma cadeia.

Esta função não aceita valores de cadeias contendo zeros dentro delas, exceto quando esses valores são argumentos para a opção q.


string.gmatch (s, pattern)

Retorna uma função iteradora que, cada vez que é chamada, retorna a próxima captura de pattern na cadeia s. Se pattern não especifica nenhuma captura, então o casamento inteiro é produzido a cada chamada. Como um exemplo, o seguinte laço
     s = "hello world from Lua"
     for w in string.gmatch(s, "%a+") do
       print(w)
     end

irá iterar sobre todas as palavras da cadeia s, imprimindo uma por linha. O próximo exemplo coleta todos os pares key=value da cadeia fornecida e os coloca em uma tabela:

     t = {}
     s = "from=world, to=Lua"
     for k, v in string.gmatch(s, "(%w+)=(%w+)") do
       t[k] = v
     end

Para essa função, um '^' no início de um padrão não funciona como uma âncora, visto que isso iria impedir a iteração.


string.gsub (s, pattern, repl [, n])

Retorna uma cópia de s na qual todas as (ou as primeiras n, se fornecido) ocorrências de pattern são substituídas por uma cadeia de substituição especificada por repl, que pode ser uma cadeia, uma tabela ou uma função. gsub também retorna, como seu segundo valor, o número total de substituições que ocorreram.

Se repl é uma cadeia, então seu valor é usado para a substituição. O caractere % funciona como um caractere de escape: qualquer seqüência em repl da forma %n, com n entre 1 e 9, representa o valor da n-ésima subcadeia capturada (veja abaixo). A seqüência %0 representa o casamento inteiro. A seqüência %% representa um % simples.

Se repl é uma tabela, então a tabela é consultada a cada casamento, usando a primeira captura como a chave; se o padrão não especifica nenhuma captura, então o casamento inteiro é usado como a chave.

Se repl é uma função, então esta função é chamada toda vez que o casamento ocorre, com todas as subcadeias capturadas sendo passadas como argumentos, na ordem em que foram capturadas; se o padrão não especifica nenhuma captura, então o casamento inteiro é passado como um único argumento.

Se o valor retornado pela consulta à tabela ou pela chamada de função é uma cadeia ou um número, então esse valor é usado como a cadeia de substituição; caso contrário, se ele é false ou nil, então não há substituição (isto é, o casamento original é mantido na cadeia).

Aqui estão alguns exemplos:

     x = string.gsub("hello world", "(%w+)", "%1 %1")
     --> x="hello hello world world"
     
     x = string.gsub("hello world", "%w+", "%0 %0", 1)
     --> x="hello hello world"
     
     x = string.gsub("hello world from Lua", "(%w+)%s*(%w+)", "%2 %1")
     --> x="world hello Lua from"
     
     x = string.gsub("home = $HOME, user = $USER", "%$(%w+)", os.getenv)
     --> x="home = /home/roberto, user = roberto"
     
     x = string.gsub("4+5 = $return 4+5$", "%$(.-)%$", function (s)
           return loadstring(s)()
         end)
     --> x="4+5 = 9"
     
     local t = {name="lua", version="5.1"}
     x = string.gsub("$name-$version.tar.gz", "%$(%w+)", t)
     --> x="lua-5.1.tar.gz"


string.len (s)

Recebe uma cadeia e retorna seu comprimento. A cadeia vazia "" tem comprimento 0. Zeros dentro da cadeia são contados, então "a\000bc\000" possui comprimento 5.


string.lower (s)

Recebe uma cadeia e retorna uma cópia desta cadeia com todas as letras maiúsculas convertidas para minúsculas. Todos os demais caracteres permanecem iguais. A definição de o que é uma letra maiúscula depende do idioma (locale) corrente.


string.match (s, pattern [, init])

Procura o primeiro casamento de pattern na cadeia s. Se encontra um, então match retorna as capturas do padrão; caso contrário retorna nil. Se pattern não especifica nenhuma captura, então o casamento inteiro é retornado. Um terceiro argumento numérico opcional, init, especifica onde iniciar a busca; seu valor padrão é 1 e pode ser negativo.


string.rep (s, n)

Retorna uma cadeia que é a concatenação de n cópias da cadeia s.


string.reverse (s)

Retorna uma cadeia que é a cadeia s invertida.


string.sub (s, i [, j])

Retorna uma subcadeia de s que inicia em i e continua até j; i e j podem ser negativos. Se j está ausente, então assume-se que ele é igual a -1 (que é o mesmo que o comprimento da cadeia). Em particular, a chamada string.sub(s,1,j) retorna um prefixo de s com comprimento j e string.sub(s, -i) retorna um sufixo de s com comprimento i.


string.upper (s)

Recebe uma cadeia e retorna uma cópia desta cadeia com todas as letras minúsculas convertidas para maiúsculas. Todos os demais caracteres permanecem iguais. A definição de o que é uma letra minúscula depende do idioma (locale) corrente.

5.4.1 - Padrões

Classes de Caracteres:

Uma classe de caracteres é usada para representar um conjunto de caracteres. As seguintes combinações são permitidas em descrições de uma classe de caracteres:

Para todas as classes representadas por uma única letra (%a, %c, etc.), a letra maiúscula correspondente representa o complemento da classe. Por exemplo, %S representa todos os caracteres que não são de espaço.

As definições de letra, espaço e outros grupos de caracteres dependem do idioma (locale) corrente. Em particular, a classe [a-z] pode não ser equivalente a %l.

Item de Padrão:

Um item de padrão pode ser

Padrão:

Um padrão é uma seqüência de itens de padrão. Um '^' no início de um padrão ancora o casamento no início da cadeia sendo usada. Um '$' no fim de um padrão ancora o casamento no fim da cadeia sendo usada. Em outras posições, '^' e '$' não possuem significado especial e representam a si mesmos.

Capturas:

Um padrão pode conter subpadrões delimitados por parênteses; eles descrevem capturas. Quando um casamento ocorre, as subcadeias da cadeia sendo usada que casaram com as capturas são armazenadas (capturadas) para uso futuro. Capturas são numeradas de acordo com os seus parênteses esquerdos. Por exemplo, no padrão "(a*(.)%w(%s*))", a parte da cadeia casando "a*(.)%w(%s*)" é armazenada como a primeira captura (e portanto tem número 1); o caractere casando "." é capturado com o número 2 e a parte casando "%s*" possui número 3.

Como um caso especial, a captura vazia () captura a posição da cadeia corrente (um número). Por exemplo, se aplicarmos o padrão "()aa()" na cadeia "flaaap", haverá duas capturas: 3 e 5.

Um padrão não pode conter zeros dentro dele. Use %z como alternativa.

5.5 - Manipulação de Tabelas

Esta biblioteca provê funções genéricas para manipulação de tabelas. Ela provê todas as suas funções na tabela table.

A maioria das funções na biblioteca de tabelas assume que a tabela representa um array ou uma lista. Para estas funções, quando falamos sobre o "comprimento" de uma tabela estamos falando sobre o resultado do operador de comprimento.


table.concat (table [, sep [, i [, j]]])

Dado um array onde todos os elementos são cadeias ou números, retorna table[i]..sep..table[i+1] ··· sep..table[j]. O valor padrão para sep é a cadeia vazia, o padrão para i é 1 e o padrão para j é o comprimento da tabela. Se i é maior do que j, retorna a cadeia vazia.


table.insert (table, [pos,] value)

Insere o elemento value na posição pos de table, deslocando os outros elementos para abrir espaço, se necessário. O valor padrão para pos é n+1, onde n é o comprimento da tabela (ver §2.5.5), de modo que uma chamada table.insert(t,x) insere x no fim da tabela t.


table.maxn (table)

Retorna o maior índice numérico positivo da tabela fornecida ou zero se a tabela não possui índices numéricos positivos. (Para realizar seu trabalho esta função faz um percorrimento linear da tabela inteira.)


table.remove (table [, pos])

Remove de table o elemento na posição pos, deslocando os outros elementos para preencher o espaço, se necessário. Retorna o valor do elemento removido. O valor padrão para pos é n, onde n é o comprimento da tabela, de modo que uma chamada table.remove(t) remove o último elemento da tabela t.


table.sort (table [, comp])

Ordena os elementos da tabela em uma dada ordem, in-place, de table[1] até table[n], onde n é o comprimento da tabela. Se comp é fornecido, então ele deve ser uma função que recebe dois elementos da tabela e retorna true quando o primeiro é menor do que o segundo (de modo que not comp(a[i+1],a[i]) será verdadeiro após a ordenação). Se comp não é fornecido, então o operador padrão de Lua < é usado em seu lugar.

O algoritmo de ordenação não é estável; isto é, elementos considerados iguais pela ordem fornecida podem ter suas posições relativas trocadas pela ordenação.

5.6 - Funções Matemáticas

Esta biblioteca é uma interface para a biblioteca matemática de C padrão. Ela provê todas as suas funções na tabela math.


math.abs (x)

Retorna o valor absoluto de x.


math.acos (x)

Retorna o arco co-seno de x (em radianos).


math.asin (x)

Retorna o arco seno de x (em radianos).


math.atan (x)

Retorna o arco tangente de x (em radianos).


math.atan2 (y, x)

Retorna o arco tangente de y/x (em radianos), mas usa o sinal dos dois parâmetros para achar o quadrante do resultado. (Também trata corretamente o caso de x ser zero.)


math.ceil (x)

Retorna o menor inteiro maior ou igual a x.


math.cos (x)

Retorna o co-seno de x (assume que x está em radianos).


math.cosh (x)

Retorna o co-seno hiperbólico de x.


math.deg (x)

Retorna o ângulo x (dado em radianos) em graus.


math.exp (x)

Retorna o valor de ex.


math.floor (x)

Retorna o maior inteiro menor ou igual a x.


math.fmod (x, y)

Retorna o resto da divisão de x por y que arredonda o quociente em direção a zero.


math.frexp (x)

Retorna m e e tais que x = m2e, e é um inteiro e o valor absoluto de m está no intervalo [0.5, 1) (ou zero quando x é zero).


math.huge

O valor de HUGE_VAL, um valor maior ou igual a qualquer outro valor numérico.


math.ldexp (m, e)

Retorna m2e (e deve ser um inteiro).


math.log (x)

Retorna o logaritmo natural de x.


math.log10 (x)

Retorna o logaritmo base-10 de x.


math.max (x, ···)

Retorna o valor máximo entre os seus argumentos.


math.min (x, ···)

Retorna o valor mínimo entre os seus argumentos.


math.modf (x)

Retorna dois números, a parte integral de x e a parte fracionária de x.


math.pi

O valor de pi.


math.pow (x, y)

Retorna xy. (Você também pode usar a expressão x^y para computar este valor.)


math.rad (x)

Retorna o ângulo x (dado em graus) em radianos.


math.random ([m [, n]])

Esta função é uma interface para a função geradora pseudo-randômica simples rand fornecida por ANSI C. (Nenhuma garantia pode ser dada para suas propriedades estatísticas.)

Quando chamada sem argumentos, retorna um número real pseudo-randômico uniforme no intervalo [0,1). Quando chamada com um número inteiro m, math.random retorna um inteiro pseudo-randômico uniforme no intervalo [1, m]. Quando chamada com dois números inteiros m e n, math.random retorna um inteiro pseudo-randômico uniforme no intervalo [m, n].


math.randomseed (x)

Estabelece x como a "semente" para o gerador pseudo-randômico: sementes iguais produzem seqüências iguais de números.


math.sin (x)

Retorna o seno de x (assume que x está em radianos).


math.sinh (x)

Retorna o seno hiperbólico de x.


math.sqrt (x)

Retorna a raiz quadrada de x. (Você também pode usar a expressão x^0.5 para computar este valor.)


math.tan (x)

Retorna a tangente de x (assume que x está em radianos).


math.tanh (x)

Retorna a tangente hiperbólica de x.

5.7 - Facilidades de Entrada e Saída

A biblioteca de E/S provê dois estilos diferentes para manipulação de arquivos. O primeiro usa descritores de arquivo implícitos; isto é, há operações para estabelecer um arquivo de entrada padrão e um arquivo de saída padrão e todas as operações de entrada/saída são realizadas sobre estes arquivos. O segundo estilo usa descritores de arquivo explícitos.

Quando se usa descritores de arquivo implícitos, todas as operações são providas pela tabela io. Quando se usa descritores de arquivo explícitos, a operação io.open retorna um descritor de arquivo e então todas as operações são providas como métodos do descritor de arquivo.

A tabela io também fornece três descritores de arquivo pré-definidos com os seus significados usuais de C: io.stdin, io.stdout e io.stderr. A biblioteca de E/S nunca fecha estes arquivos.

A menos que dito de modo contrário, todas as funções de E/S retornam nil em caso de falha (mais uma mensagem de erro como segundo resultado e um código de erro dependente do sistema como um terceiro resultado), ou algum valor diferente de nil em caso de sucesso.


io.close ([file])

Equivalente a file:close(). Quando não recebe file, fecha o arquivo de saída padrão.


io.flush ()

Equivalente a file:flush no arquivo de saída padrão.


io.input ([file])

Quando chamada com um nome de arquivo, abre o arquivo com aquele nome (em modo texto) e estabelece seu manipulador como o arquivo de entrada padrão. Quando chamada com um manipulador de arquivo, simplesmente estabelece este manipulador de arquivo como o arquivo de entrada padrão. Quando chamada sem parâmetros, retorna o arquivo de entrada padrão corrente.

Em caso de erros esta função dispara o erro, ao invés de retornar um código de erro.


io.lines ([filename])

Abre o nome de arquivo fornecido em modo de leitura e retorna uma função iteradora que, cada vez que é chamada, retorna uma nova linha do arquivo. Portanto, a construção

     for line in io.lines(filename) do corpo end

irá iterar sobre todas as linhas do arquivo. Quando a função iteradora detecta o fim do arquivo, ela retorna nil (para finalizar o laço) e automaticamente fecha o arquivo.

A chamada io.lines() (sem nenhum nome de arquivo) é equivalente a io.input():lines(); isto é, ela itera sobre as linhas do arquivo de entrada padrão. Neste caso ela não fecha o arquivo quando o laço termina.


io.open (filename [, mode])

Esta função abre um arquivo, no modo especificado na cadeia mode. Ela retorna um novo manipulador de arquivo ou, em caso de erros, nil mais uma mensagem de erro.

A cadeia de caracteres mode pode ser qualquer uma das seguintes:

A cadeia mode também pode ter um 'b' no fim, que é necessário em alguns sistemas para abrir o arquivo em modo binário. Esta cadeia é exatamente o que é usado na função padrão de C fopen.


io.output ([file])

Similar a io.input, mas opera sobre o arquivo de saída padrão.


io.popen (prog [, mode])

Inicia o programa prog em um processo separado e retorna um manipulador de arquivo que pode ser usado para ler dados deste programa (se mode é "r", o padrão) ou escrever dados para este programa (se mode é "w").

Esta função é dependente do sistema e não está disponível em todas as plataformas.


io.read (···)

Equivalente a io.input():read.


io.tmpfile ()

Retorna um manipulador para um arquivo temporário. Este arquivo é aberto em modo de atualização e é automaticamente removido quando o programa termina.


io.type (obj)

Verifica se obj é um manipulador de arquivo válido. Retorna a cadeia "file" se obj é um manipulador de arquivo aberto, "close file" se obj é um manipulador de arquivo fechado ou nil se obj não é um manipulador de arquivo.


io.write (···)

Equivalente a io.output():write.


file:close ()

Fecha file. Note que arquivos são automaticamente fechados quando seus manipuladores são coletados pelo coletor de lixo, mas leva uma quantidade indeterminada de tempo para isso acontecer.


file:flush ()

Salva qualquer dado escrito para file.


file:lines ()

Retorna uma função iteradora que, cada vez que é chamada, retorna uma nova linha do arquivo. Portanto, a construção

     for line in file:lines() do corpo end

irá iterar sobre todas as linhas do arquivo. (Ao contrário de io.lines, essa função não fecha o arquivo quando o laço termina.)


file:read (···)

Lê o arquivo file, de acordo com os formatos fornecidos, os quais especificam o que deve ser lido. Para cada formato, a função retorna uma cadeia (ou um número) com os caracteres lidos ou nil se ela não pode retornar dados com o formato especificado. Quando chamada sem formatos, ela usa o formato padrão que lê a próxima linha toda (veja abaixo).

Os formatos disponíveis são


file:seek ([whence] [, offset])

Estabelece e obtém a posição do arquivo, medida a partir do início do arquivo, até a posição dada por offset mais uma base especificada pela cadeia whence, como a seguir:

Em caso de sucesso, a função seek retorna a posição final do arquivo, medida em bytes a partir do início do arquivo. Se esta função falha, ela retorna nil, mais uma cadeia descrevendo o erro.

O valor padrão para whence é "cur" e para offset é 0. Portanto, a chamada file:seek() retorna a posição do arquivo corrente, sem modificá-la; a chamada file:seek("set") estabelece a posição para o início do arquivo (e retorna 0); e a chamada file:seek("end") estabelece a posição para o fim do arquivo e retorna seu tamanho.


file:setvbuf (mode [, size])

Define o modo de bufferização para um arquivo de saída. Há três modos disponíveis:

Para os últimos dois casos, size especifica o tamanho do buffer, em bytes. O padrão é um tamanho apropriado.


file:write (···)

Escreve o valor de cada um de seus argumentos para file. Os argumentos devem ser cadeias de caracteres ou números. Para escrever outros valores, use tostring ou string.format antes de write.

5.8 - Facilidades do Sistema Operacional

Esta biblioteca é implementada através da tabela os.


os.clock ()

Retorna uma aproximação da quantidade de tempo de CPU, em segundos, usada pelo programa.


os.date ([format [, time]])

Retorna uma cadeia ou uma tabela contendo data e hora, formatada de acordo com a cadeia format fornecida.

Se o argumento time está presente, este é o tempo a ser formatado (veja a função os.time para uma descrição deste valor). Caso contrário, date formata a hora corrente.

Se format começa com '!', então a data é formatada no Tempo Universal Coordenado. Após esse caractere opcional, se format é a cadeia "*t", então date retorna uma tabela com os seguintes campos: year (quatro dígitos), month (1--12), day (1--31), hour (0--23), min (0--59), sec (0--61), wday (dia da semana, domingo é 1), yday (dia do ano) e isdst (flag que indica o horário de verão, um booleano).

Se format não é "*t", então date retorna a data como uma cadeia de caracteres, formatada de acordo com as mesmas regras da função C strftime.

Quando chamada sem argumentos, date retorna uma representação aceitável da data e da hora que depende do sistema hospedeiro e do idioma (locale) corrente. (isto é, os.date() é equivalente a os.date("%c")).


os.difftime (t2, t1)

Retorna o número de segundos a partir do tempo t1 até o tempo t2. Em POSIX, Windows e alguns outros sistemas, este valor é exatamente t2-t1.


os.execute ([command])

Esta função é equivalente à função C system. Ela passa command para ser executado por um interpretador de comandos do sistema operacional. Ela retorna um código de status, que é dependente do sistema. Se command está ausente, então a função retorna um valor diferente de zero se um interpretrador de comandos está disponível e zero caso contrário.


os.exit ([code])

Chama a função C exit, com um código code opcional, para terminar o programa hospedeiro. O valor padrão para code é o código de sucesso.


os.getenv (varname)

Retorna o valor da variável de ambiente do processo varname ou nil se a variável não está definida.


os.remove (filename)

Remove um arquivo ou diretório com o nome fornecido. Diretórios devem estar vazios para serem removidos. Se esta função falha, ela retorna nil, mais uma cadeia descrevendo o erro.


os.rename (oldname, newname)

Renomeia um arquivo ou diretório chamado oldname para newname. Se esta função falha, ela retorna nil, mais uma cadeia descrevendo o erro.


os.setlocale (locale [, category])

Estabelece o idioma (locale) corrente do programa. locale é uma cadeia de caracteres especificando um idioma; category é uma cadeia opcional descrevendo para qual categoria deve-se mudar: "all", "collate", "ctype", "monetary", "numeric" ou "time"; a categoria padrão é "all". Esta função retorna o nome do novo idioma ou nil se a requisição não pode ser honrada.

Se locale é a cadeia vazia, estabelece-se o idioma corrente como um idioma nativo definido pela implementação. Se locale é a cadeia "C", estabelece-se o idioma corrente como o idioma padrão de C.

Quando chamada com nil como o primeiro argumento, esta função retorna somente o nome do idioma corrente para a categoria fornecida.


os.time ([table])

Retorna o tempo corrente quando chamada sem argumentos ou um tempo representando a data e a hora especificados pela tabela fornecida. Esta tabela deve ter campos year, month e day e pode ter campos hour, min, sec e isdst (para uma descrição destes campos, veja a função os.date).

O valor retornado é um número, cujo significado depende do seu sistema. Em POSIX, Windows e alguns outros sistemas, este número conta o número de segundos desde algum tempo de início dado (a "era"). Em outros sistemas, o significado não é especificado e o número retornado por time pode ser usado somente como um argumento para date e difftime.


os.tmpname ()

Retorna uma cadeia de caracteres com o nome de um arquivo que pode ser usado para um arquivo temporário. O arquivo deve ser explicitamente aberto antes de ser usado e explicitamente removido quando não for mais necessário.

Em alguns sistemas (POSIX), esta função também cria um arquivo com esse nome, para evitar riscos de segurança. (Outro usuário pode criar o arquivo com permissões erradas no intervalo de tempo entre a obtenção do nome e a criação do arquivo.) Você ainda deve abrir o arquivo para poder usá-lo e deve removê-lo (mesmo que você não tenha usado).

Quando possível, você pode preferir usar io.tmpfile, que automaticamente remove o arquivo quando o programa termina.

5.9 - A Biblioteca de Depuração

Esta biblioteca provê as funcionalidades da interface de depuração para programas Lua. Você deve ter cuidado ao usar esta biblioteca. As funções fornecidas aqui devem ser usadas exclusivamente para depuração e tarefas similares, tais como medição (profiling). Por favor resista à tentação de usá-las como uma ferramenta de programação usual: elas podem ser muito lentas. Além disso, várias dessas funções violam algumas suposições a respeito do código Lua (e.g., que variáveis locais a uma função não podem ser acessadas de fora da função ou que metatabelas de objetos userdata não podem ser modificadas por código Lua) e portanto podem comprometer código que, de outro modo, seria seguro.

Todas as funções nesta biblioteca são fornecidas na tabela debug. Todas as funções que operam sobre um objeto do tipo thread possuem um primeiro argumento opcional que é o objeto thread sobre o qual a função deve operar. O padrão é sempre o fluxo de execução corrente.


debug.debug ()

Entra em um modo interativo com o usuário, executando cada cadeia de caracteres que o usuário entra. Usando comandos simples e outros mecanismos de depuração, o usuário pode inspecionar variáveis globais e locais, mudar o valor delas, avaliar expressões, etc. Uma linha contendo somente a palavra cont termina esta função, de modo que a função chamadora continua sua execução.

Note que os comandos para debug.debug não são aninhados de modo léxico dentro de nenhuma função e portanto não possuem acesso direto a variáveis locais.


debug.getfenv (o)

Retorna o ambiente do objeto o.


debug.gethook ([thread])

Retorna as configurações de gancho correntes do fluxo de execução como três valores: a função de gancho corrente, a máscara de ganho corrente e a contagem de ganho corrente (como estabelecido pela função debug.sethook).


debug.getinfo ([thread,] function [, what])

Retorna uma tabela com informação sobre uma função. Você pode fornecer a função diretamente ou você pode fornecer um número como o valor de function, que significa a função executando no nível function da pilha de chamadas do fluxo de execução fornecido: nível 0 é a função corrente (a própria getinfo); nível 1 é a função que chamou getinfo; e assim por diante. Se function é um número maior do que o número de funções ativas, então getinfo retorna nil.

A tabela retornada pode conter todos os campos retornados por lua_getinfo, com a cadeia what descrevendo quais campos devem ser preenchidos. O padrão para what é obter todas as informações disponíveis, exceto a tabela de linhas válidas. Se presente, a opção 'f' adiciona um campo chamado func com a própria função. Se presente, a opção 'L' adiciona um campo chamado activelines com a tabela de linhas válidas.

Por exemplo, a expressão debug.getinfo(1,"n").name retorna uma tabela com um nome para a função corrente, se um nome razoável pode ser encontrado, e a expressão debug.getinfo(print) retorna uma tabela com todas as informações disponíveis sobre a função print.


debug.getlocal ([thread,] level, local)

Esta função retorna o nome e o valor da variável local com índice local da função no nível level da pilha. (O primeiro parâmetro ou variável local possui índice 1 e assim por diante, até a última variável local ativa.) A função retorna nil se não existe uma variável local com o índice fornecido e dispara um erro quando chamada com um level fora da faixa de valores válidos. (Você pode chamar debug.getinfo para verificar se o nível é válido.)

Nomes de variáveis que começam com '(' (abre parênteses) representam variáveis internas (variáveis de controle de laços, temporários e locais de funções C).


debug.getmetatable (object)

Retorna a metatabela do object fornecido ou nil se ele não possui uma metatabela.


debug.getregistry ()

Retorna a tabela de registro (ver §3.5).


debug.getupvalue (func, up)

Esta função retorna o nome e o valor do upvalue com índice up da função func. A função retorna nil se não há um upvalue com o índice fornecido.


debug.setfenv (object, table)

Estabelece a tabela table como o ambiente do object fornecido. Retorna object.


debug.sethook ([thread,] hook, mask [, count])

Estabelece a função fornecida como um gancho. A cadeia mask e o número count descrevem quando o gancho será chamado. A cadeia mask pode ter os seguintes caracteres, com o respectivo significado:

Com um count diferente de zero, o gancho é chamado após cada count instruções.

Quando chamada sem argumentos, debug.sethook desabilita o gancho.

Quando o gancho é chamado, seu primeiro parâmetro é uma cadeia de caracteres descrevendo o evento que disparou a sua chamada: "call", "return" (ou "tail return", quando estiver simulando um retorno de uma recursão final), "line" e "count". Para eventos de linha, o gancho também obtém o novo número de linha como seu segundo parâmetro. Dentro do gancho, é possível chamar getinfo com nível 2 para obter mais informação sobre a função sendo executada (nível 0 é a função getinfo e nível 1 é a função de gancho), a menos que o evento seja "tail return". Neste caso, Lua está somente simulando o retorno e uma chamada a getinfo retornará dados inválidos.


debug.setlocal ([thread,] level, local, value)

Esta função atribui o valor value à variável local com índice local da função no nível level da pilha. A função retorna nil se não há uma variável local com o índice fornecido e dispara um erro quando chamada com um level fora da faixa de valores válidos. (Você pode chamar getinfo para verificar se o nível é válido.) Caso contrário, a função retorna o nome da variável local.


debug.setmetatable (object, table)

Estabelece table como a metatabela do object fornecido (table pode ser nil).


debug.setupvalue (func, up, value)

Esta função atribui o valor value ao upvalue com índice up da função func. A função retorna nil se não há um upvalue com o índice fornecido. Caso contrário, a função retorna o nome do upvalue.


debug.traceback ([thread,] [message] [, level])

Retorna uma cadeia de caracteres com um traço da pilha de chamadas. Uma cadeia opcional message é adicionada ao início do traço. Um número opcional level diz em qual nível iniciar o traço (o padrão é 1, a função chamando traceback).

6 - O Interpretador de Linha de Comando Lua

Embora Lua tenha sido projetada como uma linguagem de extensão, para ser embutida em um programa C hospedeiro, Lua também é freqüentemente usada como uma linguagem auto-suficiente. Um interpretador para Lua como uma linguagem auto-suficiente, chamado simplesmente lua, é fornecido com a distribuição padrão. Esse interpretador inclui todas as bibliotecas padrão, inclusive a biblioteca de depuração. Seu uso é:

     lua [options] [script [args]]

As opções são:

Após tratar suas opções, lua executa o script fornecido, passando para ele os args fornecidos como cadeias de argumentos. Quando chamado sem argumentos, lua comporta-se como lua -v -i quando a entrada padrão (stdin) é um terminal e como lua - em caso contrário.

Antes de executar qualquer argumento, o interpretador verifica se há uma variável de ambiente LUA_INIT. Se seu formato é @filename, então lua executa o arquivo. Caso contrário, lua executa a própria cadeia de caracteres.

Todas as opções são manipuladas na ordem dada, exceto -i. Por exemplo, uma invocação como

     $ lua -e'a=1' -e 'print(a)' script.lua

irá primeiro atribuir 1 a a, depois imprimirá o valor de a (que é '1') e finalmente executará o arquivo script.lua sem argumentos. (Aqui $ é o prompt do interpretador de comandos. Você pode ter um prompt diferente.)

Antes de começar a executar o script, lua guarda todos os argumentos fornecidos na linha de comando em uma tabela global chamada arg. O nome do script é armazenado no índice 0, o primeiro argumento após o nome do script fica no índice 1 e assim por diante. Quaisquer argumentos antes do nome do script (isto é, o nome do interpretador mais as opções) ficam em índices negativos. Por exemplo, na chamada

     $ lua -la b.lua t1 t2

o interpretador primeiro executa o arquivo a.lua, depois cria a tabela

     arg = { [-2] = "lua", [-1] = "-la",
             [0] = "b.lua",
             [1] = "t1", [2] = "t2" }

e finalmente executa o arquivo b.lua. O script é chamado com arg[1], arg[2], ··· como argumentos; ele também pode acessar estes argumentos com a expressão vararg '...'.

Em modo interativo, se você escrever um comando incompleto, o interpretador espera que você o complete e indica isto através de um prompt diferente.

Se a variável global _PROMPT contém uma cadeia de caracteres, então o seu valor é usado como o prompt. De maneira similar, se a variável global _PROMPT2 contém uma cadeia, seu valor é usado como o prompt secundário (mostrado durante comandos incompletos). Portanto, os dois prompts podem ser modificados diretamente na linha de comando ou em quaisquer programas Lua fazendo uma atribuição a _PROMPT. Veja o exemplo a seguir:

     $ lua -e"_PROMPT='myprompt> '" -i

(O par de aspas mais externo é para o interpretador de comandos e o par mais interno é para Lua.) Note o uso de -i para entrar em modo interativo; caso contrário, o programa iria terminar silenciosamente logo após a atribuição a _PROMPT.

Para permitir o uso de Lua como um interpretador de scripts em sistemas Unix, o interpretador de linha de comando pula a primeira linha de um trecho de código se ele começa com #. Portanto, scripts Lua podem ser usados como programas executáveis usando chmod +x e a forma #!, como em

     #!/usr/local/bin/lua

(É claro que a localização do interpretador Lua pode ser diferente na sua máquina. Se lua está em seu PATH, então

     #!/usr/bin/env lua

é uma solução mais portável.)

7 - Incompatibilidades com a Versão Anterior

Listamos aqui as incompatibilidades que você pode encontrar quando passando um programa de Lua 5.0 para Lua 5.1. Você pode evitar a maioria das incompatibilidades compilando Lua com opções apropriadas (veja o arquivo luaconf.h). Contudo, todas essas opções de compatibilidade serão removidas na próxima versão de Lua.

7.1 - Mudanças na Linguagem

7.2 - Mudanças nas Bibliotecas

7.3 - Mudanças na API

8 - A Sintaxe Completa de Lua

Aqui está a sintaxe completa de Lua na notação BNF estendida. (Ela não descreve as precedências dos operadores.)


	trecho ::= {comando [`;´]} [ultimocomando [`;´]]

	bloco ::= trecho

	comando ::=  listavar `=´ listaexp | 
		 chamadadefuncao | 
		 do bloco end | 
		 while exp do bloco end | 
		 repeat bloco until exp | 
		 if exp then bloco {elseif exp then bloco} [else bloco] end | 
		 for Nome `=´ exp `,´ exp [`,´ exp] do bloco end | 
		 for listadenomes in listaexp do bloco end | 
		 function nomedafuncao corpodafuncao | 
		 local function Nome corpodafuncao | 
		 local listadenomes [`=´ listaexp] 

	ultimocomando ::= return [listaexp] | break

	nomedafuncao ::= Nome {`.´ Nome} [`:´ Nome]

	listavar ::= var {`,´ var}

	var ::=  Nome | expprefixo `[´ exp `]´ | expprefixo `.´ Nome 

	listadenomes ::= Nome {`,´ Nome}

	listaexp ::= {exp `,´} exp

	exp ::=  nil | false | true | Numero | Cadeia | `...´ | funcao | 
		 expprefixo | construtortabela | exp opbin exp | opunaria exp 

	expprefixo ::= var | chamadadefuncao | `(´ exp `)´

	chamadadefuncao ::=  expprefixo args | expprefixo `:´ Nome args 

	args ::=  `(´ [listaexp] `)´ | construtortabela | Cadeia 

	funcao ::= function corpodafuncao

	corpodafuncao ::= `(´ [listapar] `)´ bloco end

	listapar ::= listadenomes [`,´ `...´] | `...´

	construtortabela ::= `{´ [listadecampos] `}´

	listadecampos ::= campo {separadordecampos campo} [separadordecampos]

	campo ::= `[´ exp `]´ `=´ exp | Nome `=´ exp | exp

	separadordecampos ::= `,´ | `;´

	opbin ::= `+´ | `-´ | `*´ | `/´ | `^´ | `%´ | `..´ | 
		 `<´ | `<=´ | `>´ | `>=´ | `==´ | `~=´ | 
		 and | or

	opunaria ::= `-´ | not | `#´


Last update: Wed Sep 28 01:04:56 BRT 2011